sábado, 10 de dezembro de 2011

SEXO: Camisinhas customizadas já estão disponíveis na Europa

Usar uma camisinha que não é projetada para o seu pênis aumenta as possibilidades de vazamento, fricção demasiada ou de ela escapar — problemas que por sua vez aumentam a chance de doenças e infecções sexualmente transmissíveis ou gravidez indesejada. Mas, ainda bem, alguém inventou camisinhas com tamanho customizado. E agora elas estão disponíveis… Na Europa.

De acordo com Joe Nelson, CEO da TheyFit, elas estão finalmente legalmente disponíveis na Europa, aprovadas pela União Europeia. O negócio ainda não está disponível para os EUA porque a FDA (a Anvisa deles) ainda não aprovou. Mas deveria, porque um estudo feito com 820 homens encontrou provas de que “camisinhas do tamanho certo podem ser um valioso mecanismo deprevenção de infecções sexualmente transmissíveis.”

Enquanto a novidade não chega ao resto do mundo, você pode ir ao site e medir o seu pênis usando o kit TheyFit e encomendar algumas para entregar a alguém que esteja viajando pela Europa. Há mais de 95 tamanhos diferentes e um pacote com 60 sai por 110 Reais. Elas podem fazer uma grande diferença. Ou pequena. FONTE: GIZMODO BRASIL

18 mil urnas eletrônicas estão instaladas para plebiscito no Pará

O plebiscito desde domingo (11) que vai decidir se do estado do Pará deve ou não ser dividido contará com 18 mil urnas eletrônicas. Todos os equipamentos já estão instalados nos locais de votação. 

Os mais de 14 mil pontos de votação espalhados pelo estado vão funcionar de 8h às 17h de domingo (horário local).

Cerca de cinco mihões de eleitores vão responder a duas perguntas: "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado de Carajás?" e "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado do Tapajós?". O número 77 corresponde à resposta "sim" para qualquer uma das perguntas. E o número 55 será usado para o "não".

Durante o plebiscito, será possível anular o voto ou votar em branco e essas manifestações serão consideradas nulas. Terminado o período de votação, os dados armazenados nas urnas eletrônicas serão encaminhados ao Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA), que vai ficar responsável pela totalização.

Os 277 locais considerados de difícil acesso contarão com urnas ligadas a baterias que vão transmitir os votos via satélite. Os eleitores que não comparecerem para votar terão 60 dias para justificar a ausência nas zonas eleitorais em que estiverem inscritos. Mesmo se tratando de um plebiscito, as exigências são as mesmas para eleições regulares. Quem deixar de votar e não apresentar justificativa será multado e pode ter o título de eleitor cancelado

A previsão do Tribunal Regional Eleitoral é que no domingo à noite os paraenses vão saber o resultado. Se for pela não divisão, o resultado é definitivo. Se a divisão for aprovada, o caminho é mais longo. A proposta deverá ser aprovada pelo Congresso Nacional e depois segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.

SegurançaO Exército enviou três mil homens para reforçar a segurança no estado durante o plebiscito. Haverá reforço na segurança de 16 cidades do Pará, incluindo os municípios de Santarém e Marabá, que seriam as capitais dos novos estados.

Os outros são: Altamira, Brasil Novo, Monte Alegre, Alenquer, Óbidos, Juriti, Oriximiná, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, Redenção, Tucumã, Orilândia do Norte, Bacajá e Anapu. FONTE: G1

Orquestra Sinfonica Brasileira se apresenta no Complexo do Alemão

O Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, recebeu neste sábado a Orquestra Sinfônica Brasileira. O objetivo foi celebrar a paz na comunidade, que foi pacificada há um ano.

No local, conhecido como Campo do Sargento, 3.000 pessoas eram esperadas, mas a maioria dos lugares ficou vazia. Quem prestigiou o evento, teve a oportunidade de ver a orquestra, comandada pelo maestro Roberto Minczuk, interepretar músicos como Bach e Bethoveen.

O governador do Estado, Sérgio Cabral, disse que a ocasião era um marco para o Complexo do Alemão.

Integrantes da Orquestra Sinfônica Brasileira, 
sob a batuta do maestro Roberto Minczuk
"É uma conquista fantástica de um novo momento que o Rio de Janeiro vive. Os moradores da comunidade podem respirar a liberdade e o respeito. É um momento de paz, alegria e consagração da sociedade. Muita coisa mudou em um ano, a comunidade está em paz agora. Estamos em busca do tempo perdido no Rio de Janeiro", afirmou.

Essa foi a 39° edição do projeto Aquarius, que pela primeira vez se apresentou em uma comunidade pacificada.

O evento teve a apresentação de Fernanda Lima e participação especial dos atores Eriberto Leão e Camila Morgado.

O Grupo Cultura AfroReggae e o Coro de Crianças da OSB, formado por 50 artistas de 8 a 15 anos, também se apresentaram.

Dois telões de LED nas laterais do palco transmitiam o concerto para quem estivesse de fora do local pudesse assistir. FONTE: FOLHA.COM

Homem abusa sexualmente e vende filha por US$ 365 no México

O pai de uma menina de 14 anos foi preso no México depois de sua filha ter sido abusada por ele e vendida por cerca de US$ 365 a seu amigo, que também abusou sexualmente da garota, informou neste sábado a PGR (Procuradoria Geral da República).

A Procuradoria mexicana emitiu um comunicado com detalhes do caso, pelo qual foram detidos em Huixquilucan, Estado do México, os dois indivíduos que cometeram o abuso, além de um irmão da menor, que não agiu para evitar os fatos, disseram à agência Efe fontes do Estado.

A menor conseguiu denunciar o caso na Procuradoria Especial para os Delitos de Violência contra as Mulheres e Tráfico de Pessoas, órgão dependente da PGR, depois que vários de seus vizinhos a convenceram a revelar o abuso.

Isso permitiu que a Polícia Federal fosse atrás dos agressores, cujas identidades não foram reveladas, e que foram presos como prováveis responsáveis pelos delitos.

No momento de sua detenção, os três envolvidos no caso estavam com vários objetos cortantes, um telefone celular e 19 cartuchos de diferentes calibres.

A menor está recebendo apoio psicológico por profissionais especializados da Procuradoria especial, conclui o boletim da PGR. FONTE: EFE

Líbano proíbe exibição de filme sobre assassinato de ex-premiê

Cartaz com foto do ex-premiê assassinado, Rafik Hariri;
filme sobre sua morte foi proibido pelo governo libanês
O governo do Líbano proibiu a exibição do filme "Beirute Hotel", da diretora local Danielle Arbid, por considerar que a fita constitui uma fonte de problemas ao abordar o assassinato do ex-primeiro-ministro do país Rafik Hariri, informa neste sábado o jornal "L'Orient-Le Jour".

Uma fonte da Segurança Nacional libanesa, citada pelo jornal, explicou que "esse tipo de problema deve ser evitado enquanto não terminar a investigação sobre o assassinato de Hariri", que morreu em 14 de fevereiro de 2005 em Beirute num atentado com caminhão-bomba.

"Beirute Hotel", que estava previsto para estrear no dia 19 de janeiro, narra a história de um libanês xiita que afirma possuir um pen drive com informações de suma importância sobre o ataque, que, além de Hariri, matou 22 pessoas.

O protagonista do filme propõe fornecer esses dados aos serviços secretos franceses em troca de asilo político, mas os serviços não dão importância ao pedido. O homem também tenta um acordo com a Polícia libanesa, que também os despreza.

Segundo a fonte da Segurança Nacional citada pelo "L'Orient-Le Jour", a intriga do filme de Danielle Arbid sugere que membros da Inteligência da Polícia teriam ordenado a morte do protagonista.

O caso de Hariri comoveu o país e segue criando polêmica, já que o tribunal internacional encarregado de julgar os culpados acusou quatro membros do grupo xiita Hizbollah, que faz parte do atual governo e rejeita entregá-los.

Não é a primeira vez neste ano que a Segurança Nacional libanesa censura a exibição de alguns filmes. Em junho passado, duas produções iranianas sobre a violência que precedeu as eleições presidenciais de 2009 no Irã foram proibidas pelas autoridades de Beirute.

A censura no Líbano está a cargo da Segurança Nacional, mas as autoridades religiosas e administrativas podem exercer pressões para impor seus pontos de vista por considerar que há razões morais ou políticas para isso. FONTE: EFE

Pesquisa testa substância aspirada que deixa pessoa sociável

Um spray nasal que contém a ocitocina pode melhorar o comportamento social das pessoas, deixando-as mais descoladas e desinibidas. A pesquisa, publicada no jornal "Psychopharmacology", vem da Universidade Concordia, no Canadá.

A ocitocina é um hormônio estimulante ligado a contrações musculares durante o parto e também à amamentação.

Ao ser inspirado, a reação é totalmente outra. "Sob os efeitos da ocitocina, uma pessoa pode se tornar mais extrovertida, mais aberta a novas ideias e mais confiável", comenta o psicopatologista Mark Ellenbogen, que coordenou o trabalho.

Cem voluntários de 18 a 35 anos foram convocados para o teste com o spray nasal. Para não ocorrerem distorções no resultado, antes de inalarem a substância, eles não puderam tomar qualquer remédio, usar drogas recreativas, fumar cigarro e nem terem sofrido desordens mentais atuais ou no passado.

A administração da oxitocina amplificou alguns traços de personalidade, tais como confiança, altruísmo e abertura, disse o autor principal da pesquisa, o estudante de graduação de psicologia Christopher Cardoso. FONTE: FOLHA.COM

Aumento de velocidade e dados na internet pode levar a catástrofe

Andy Bechtolsheim, Ken Duda e David Cheriton,
os fundadores da Arista, com um switch (comutador)
A Arista Networks prova que duas pessoas podem faturar cada uma mais de US$ 1 bilhão de dólares com o desenvolvimento da internet e ainda assim ficar preocupadas com sua confiabilidade.

David Cheriton, um professor de ciência da computação na Universidade Stanford conhecido por seu talento em design de software, e Andreas Bechtolsheim, um dos fundadores da Sun Microsystems, decidiram investir US$ 100 milhões de seu capital, e já gastaram metade disso, para reformular a maneira pela qual os computadores são conectados nas grandes centrais de computação da internet.

Como dizem os fundadores da Arista, a promessa de acesso instantâneo a volumes gigantescos de dados, em qualquer lugar, vem acompanhada pela ameaça de catástrofe. As pessoas estão criando mais dados e os transferem cada vez mais rápido via redes de computador. As redes rápidas permitem que as pessoas transfiram parcela cada vez maior dos produtos da civilização para a mídia on-line, e isso inclui não apenas posts no Facebook e todos os livros já escritos, como toda a música, chamadas telefônicas em tempo real e a maior parte da tecnologia da informação que permite o funcionamento das empresas modernas --tudo encaminhado a uma "nuvem" mundial de centrais de processamento de dados. As redes são concebidas de forma que fiquem disponíveis o tempo todo, via celular, tablet, computador pessoal e uma gama crescente de outros aparelhos conectáveis.

Estatísticas dizem que um número vastamente ampliado de transações entre computadores, em um mundo cem vezes mais rápido que o atual, conduzirá a um maior número de acidentes imprevisíveis e a um menor intervalo entre eles. A nuvem da Amazon para empresas já passou por uma paralisação de horas de duração em abril, quando as rotinas computacionais falharam e o sistema sofreu uma sobrecarga. A nuvem do Google para seu serviço de e-mail e software de documentos já sofreu diversas interrupções.

"Nós pensamos na internet como algo sempre à disposição", disse Cheriton. "Só porque nos tornamos dependentes dela, não quer dizer que isso seja verdade." Bechtolsheim diz que, devido à complexidade da internet, é impossível projetar uma rede mundial sem bugs (problemas). Bugs muito perigosos, eles dizem, capazes de paralisar o comércio, destruir informações financeiras ou permitir ataques de potências estrangeiras.

Os dois estiveram entre os primeiros investidores do Google, o que os tornou bilionários, e antes disso criaram e venderam uma empresa à gigante de redes Cisco por US$ 220 milhões. Sua riqueza e sua reputação como visionários tecnológicos conferem rara credibilidade aos seus argumentos sobre os riscos de redes mais rápidas.

Mais transações também significam mais ataques a sistemas. Ainda que diga que a sociedade on-line chegou para ficar, Cheriton se preocupa muito com os riscos de segurança. "Fiz a alegação de que as forças armadas chinesas seriam capazes de derrubar a rede em 30 segundos, e não há quem tenha conseguido provar que estou errado", disse. Ao criar uma nova forma de operar redes na era das nuvens, afirma, "temos um caminho para obter software mais sofisticado, capaz de autodefesa e de detectar mais problemas com mais rapidez".

O engenheiro Lorenz Redlefsen observa equipamento no
 laboratório da Arista, em Santa Clara, na Califórnia
A conexão comum entre os servidores, de um gigabit por segundo, vem sendo substituída por conexões de 10 gigabits, devido à melhora no design e no software de semicondutores. Velocidades de 40 e até 100 gigabits estão em uso para propósitos especializados, tais como consolidação de grandes fluxos de dados entre centenas de milhares de computadores em todo o mundo, e essa tecnologia logo estará em uso generalizado. O padrão de engenharia do setor deve chegar a 1 terabit (1.000 gigabits) por segundo em cerca de sete anos.

A Arista, sediada em Santa Clara, foi criada tendo em mente o mundo das conexões de 10 gigabits. A companhia no momento tem 250 funcionários, 167 dos quais engenheiros, construindo um rápido switch (comutador) roteador de dados capaz de isolar problemas e resolvê-los sem derrubar a rede. O propósito é que possa funcionar com chips baratos e produzidos em massa. Em termos de software e hardware, representa um distanciamento considerável da forma pela qual as redes vêm sendo geridas nos últimos 25 anos.

"Companhias como a Cisco precisam criar chips especializados próprios para operar em alta velocidade", disse Bechtolsheim. Devido às melhoras na qualidade e na capacidade do tipo de chips usado em computadores, celulares e decodificadores de TV a cabo, "poderemos construir uma rede mais habilitada para o uso de software, e é muito mais fácil defender e modificar software", ele disse.

Para Cheriton, que corta o próprio cabelo apesar de sua grande riqueza, a Arista representa oportunidade de trabalhar em um novo estilo de software sobre o qual ele vem pensando desde 1989.

Não importa o quanto seja complexo, o software essencialmente representa sequências de comandos lineares: faça isto e depois faça aquilo. Ocasionalmente pode ser dividido em "objetos" ou módulos, mas eles tendem a operar sequencialmente.

Entre 2004 e 2008, quando a Arista vendeu seu primeiro produto, Cheriton desenvolveu um sistema de 5 milhões de linhas que divide as operações em uma série de tarefas as quais, depois de completadas, podem ser verificadas por outras partes do programa e aproveitadas se não apresentarem problemas. Bechtolsheim colaborou com ele para permitir que o sistema operasse com chips já disponíveis no mercado.

Os primeiros produtos foram vendidos a operadores financeiros que desejavam reduzir em 100 nanossegundos a duração de suas transações de alta frequência. A Arista conta com mais de mil clientes agora, entre os quais companhias de telecomunicações e laboratórios universitários de pesquisa.

"Eles criaram algo de arquitetonicamente único nas redes, e isso oferece grande valor para o setor", disse Nicholas Lippis, que testa e avalia comutadores. "Construíram um sistema veloz e de valor único para o setor".

Kenneth Duda, outro dos fundadores, disse: "O que nos propele aqui é descobrir uma nova maneira de desenvolver software". Duda também colaborou com Cheriton e Bechtolsheim na Granite Systems, a empresa que eles venderam à Cisco. "O grande inimigo é a complexidade, medida em termos de linhas de código ou interações", disse. No mundo da computação em nuvem, "não existe pessoa viva capaz de compreender 10% da tecnologia envolvida em escrever e imprimir uma lista on-line de compras".

Devido à complexidade da internet, é impossível
projetar uma rede mundial sem problemas
Não surpreende que a Cisco, empresa dominante no mercado de software de roteamento, um negócio que movimenta US$ 5 bilhões ao ano, discorde.

"Não é preciso reinventar a internet", disse Ram Velaga, vice-presidente de gestão de produtos da Cisco. "Estes protocolos foram criados para funcionar mesmo que Washington seja destruída. Isso faz parte da arquitetura."

Mas os novos switches da Cisco para centrais de dados têm software reescrito para ser mais parecido com o da Arista. Alguns produtos da empresa vêm usando o chamado "silício comercial" (merchant silicon), em vez dos usuais chips exclusivos. "Andy apostou que a Cisco jamais usaria silício comercial", disse Velaga.

Cheriton e Bechtolsheim se conhecem desde 1981, quando Cheriton chegou de seu Canadá natal para lecionar em Stanford. Bechtolsheim, nascido na Alemanha, estava estudando engenharia elétrica e criando aquilo que se tornaria o primeiro produto da Sun, uma estação de trabalho computadorizada.

Os dois se tornaram amigos e colaboradores intelectuais, e em 1994 criaram a Granite Networks, responsável por um dos primeiros switches de um gigabit. A Cisco comprou a companhia dois anos mais tarde.

Porque a Arista não tem investidores externos, eles podem demorar quanto quiserem no desenvolvimento do produto, disse Bechtolsheim.

"Os executivos de capital para empreendimentos não têm paciência para esperar o desenvolvimento de um produto", diz. "E logo querem apontar o melhor amigo como executivo-chefe. Além disso, nossa companhia parecia um bom investimento."

Cheriton acrescenta que "não ter dinheiro do setor de capital para empreendimentos claramente representa uma vantagem competitiva". Além disso, diz: "Andy nunca me disse que o projeto custaria US$ 100 milhões". FONTE: NEW YORK TIMES

Contribuintes com uma fonte de renda não precisarão declarar imposto de renda em 2014

Os contribuintes com uma única fonte de renda que optarem pelo desconto padrão deverão deixar de entregar a declaração do imposto de renda em 2014, ano-calendário 2013, informou à Agência Brasil o Secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. A medida vale para pessoas físicas.

Pelo projeto, a declaração será preenchida previamente pela Receita Federal e apresentada a esses contribuintes que confirmaria ou não os dados contidos no documento, como os valores recebidos do empregador. Para os demais contribuintes a declaração permanecerá da forma que já é hoje, com alguns aperfeiçoamentos.

“O projeto de simplificação está em curso na Receita Federal. Existem modelos como esse em outros países. O Chile, por exemplo, tem um modelo parecido. Em breve estaremos caminhando para essa solução”, disse Barreto.

Segundo o secretário, não é possível eliminar a declaração de todas as pessoas físicas porque existem algumas informações que necessitam ser prestadas pelo próprio contribuinte, como é o caso das despesas médicas, com educação e doações. “A administração tributária não tem previamente essas informações. Faz necessário que o contribuinte faça sua declaração e a transmita para a Receita”.

O secretário explicou que os sistemas da Receita Federal teriam como fazer isso, mas o modelo adotado no país não permite que Fisco tenha todas as informações prévias como as despesas médicas, educação, gastos com dependente e doações. “Por isso, agora, não há como colocar um modelo desses porque grande parte teria que alterar aquilo que seria apresentado para o contribuinte como declaração. Por enquanto, não teremos como entregar a declaração completa para o contribuinte confirmar ou não confirmar”.

Para os demais contribuintes pessoas físicas, o secretário lembrou que a declaração já foi simplificada e permite, de forma fácil, que o contribuinte preencha os dados com auxílio do programa de computador específico e faça a transmissão via internet sem grandes problemas. Isso tem sido demonstrado, destacou, pelo crescente número de declarações em meio eletrônico e pela diminuição do número de retenções na malha fina.

A Receita Federal informou no último dia 5 que caiu o número de declarações das pessoas físicas retidas em 2011. Este ano ficaram na malha fina 569.671 declarações. Em 2010, o número de declarações na malha fina chegou a 700 mil. FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Prefeitura do interior do Rio lança Minha Vaca, Minha Vida

Criado pelo governo federal para atender a pessoas de baixa renda, o programa Minha Casa, Minha Vida, ganhou a sua versão rural. E quer gerar "filhotes".

Preocupados com a qualidade do gado, a Prefeitura de Valença (160 km do Rio) lançou o Minha Vaca, Minha Vida para atender pequenos e médios produtores.

O programa foi idealizado pelo prefeito Vicente Guedes (PSC). A ideia é distribuir, além de sêmen bovino, medicamentos para os criadores da região. Para se beneficiar, o cadastrado não pode ter mais de dez cabeças de gado.

"O rebanho do pequeno produtor na cidade, normalmente, é muito ruim, mestiço, de baixa qualidade. O que se quer é mudar isso e colocá-lo em condições de produzir melhor", afirma o veterinário Roberto Silveira.

Conhecida pela colônia italiana e pelas serestas, a economia de Valença é baseada na agropecuária.

A baixa qualidade do animal leva a casos de doenças impedindo a subsistência de famílias pobres.

Pesquisa da Embrapa entre 2009 e 2010 apontou que, de 50 amostras de material do gado, 27 tiveram resultado positivo para a raiva. FONTE: FOLHA.COM

Simulador calcula 72 maneiras de o bebê nascer

Um aparelho que simula o nascimento de bebês pode ajudar os médicos na detecção de partos de risco, que exigem atenção redobrada.

A tecnologia combina um scanner por ressonância magnética (MRI, na sigla em inglês), usado na pelve da gestante, onde se encontra o feto, e a reconstrução de imagens em 3D.

A partir daí, um software calcula 72 maneiras de a criança nascer. Com base nelas, o médico pode dizer se ela está virada ou em outra posição inadequada para o nascimento.

A consultora de obstetrícia Virginia Beckett, do Hospital Bradford, lembra que não é apenas a posição do bebê que pode interferir na hora em que ele nasce. O trabalho de parto e as contrações, que ficam fora das análises do simulador, também contam.

O pesquisador Olivier Ami, da Universidade do Sul de Paris, na França, coordena a pesquisa. Agora ele pretende realizar testes com um grupo numericamente significativo para checar se os prognósticos do simulador, chamado de Predibirth, são acertados ou não.

Seu estudo foi apresentado na semana passada, durante uma conferência da Sociedade de Radiologia, em Chicago (EUA). FONTE: NEW SCIENTIS