quinta-feira, 1 de março de 2012

Investigação sobre acidente de trem na Argentina revela erros técnicos

Imagem publicada no Facebook e reproduzida pelo La Nación mostra
dezenas de passageiros presos em vagão após acidente
A investigação sobre as causas do acidente de trem que deixou 51 mortos em Buenos Aires na semana passada revelou novos erros técnicos que confirmam as graves deficiências do sistema de trens na capital portenha.

Nesta semana, uma foto que mostra dezenas de passageiros presos em um dos vagões do trem foi publicada por um bombeiro em sua página no Facebook. A imagem foi reproduzida por jornais argentinos como o La Nación, levando o bombeiro a retirá-la de seu perfil no site, alegando uso indevido.

Segundo edição desta quinta-feira do mesmo jornal, que se baseou em um relatório oficial, a investigação da Comissão Nacional de Regulação do Transporte (CNRT) revelou que o para-choques hidráulico da estação de Once, que deveria ter amortecido o impacto do trem acidentado, não funcionava.

O para-choques atuou "apenas como um impedimento estático ao avanço", ou seja, como uma parede, de acordo com o jornal. O acidente aconteceu em 22 de fevereiro quando um trem procedente da província de Buenos Aires e carregado com cerca de 1,5 mil passageiros se chocou contra uma plataforma da estação de Once, no centro da capital.

"Se o para-choques hidráulico tivesse funcionado corretamente, o impacto do trem a 20 km/h teria sido menor e talvez não tivesse provocado a tragédia que causou. No estado em que estava foi como se (o trem) tivesse se chocado contra uma parede", disse o porta-voz do sindicato de trabalhadores ferroviários La Fraternidad, Horacio Caminos. 

EmpresaA manutenção do para-choques, das vias e do material rolante, lembrou o La Nación, é responsabilidade da empresa concessionária, Trens de Buenos Aires (TBA), que sofreu uma intervenção nesta semana pelo governo da presidente Cristina Kirchner após duras críticas de negligência do Executivo.

A conclusão do relatório foi corroborada pelo maquinista do trem acidentado, que denunciou que o parachoque não funcionou e se rompeu após o impacto.

O jovem motorista afirmou que os freios do trem falharam e que a válvula de emergência também não funcionou.

A presidente argentina pediu à justiça que acelere a investigação sobre as causas do acidente para esclarecer responsabilidades. Na quarta-feira, o governo conseguiu barrar a aprovação de um relatório da Auditoria Geral da Nação que, segundo a imprensa local, destapa graves irregularidades no funcionamento da TBA e põe em evidência a falta de controle do Estado.

Familiares e amigos das vítimas pediram a apuração de responsabilidades políticas e criticaram vários membros do gabinete de Cristina Kirchner, especialmente o secretário de Transporte, Juan Pablo Schiavi, que na quarta-feira foi operado com urgência de uma angioplastia coronária. fonte: EFE

VIROU CARVÃO: Mulher é presa nos EUA por queimar uma das árvores mais antigas do mundo

A árvore queimada por Sara Barnes tinha
cerca de 3.500 anos
Autoridades americanas detiveram na quarta-feira uma jovem de 26 anos que queimou em Longwood, na Flórida, uma árvore que tinha cerca de 3.500 anos de idade, um dos exemplares mais antigos do mundo.

A prisão de Sara Barnes (foto) foi possível graças a informações passadas por moradores locais. A mulher foi identificada posteriormente por duas testemunhas.

A árvore, batizada de "The senator", tinha 36 metros de altura e 10 de diâmetro, embora já tenha atingido, antes de um furacão cortar parte de sua copa nos anos vinte, 50 metros.

A Associação Florestal dos Estados Unidos determinou em 1946 que o cipreste tinha cerca de 3.500 anos, o que o transformava na árvore mais antiga do país e uma das mais velhas do mundo.

Durante o incêndio, ocorrido na noite de 16 de janeiro, a mulher tirou fotos das chamas com seu telefone celular.

A árvore queimou quando Sara acendeu fogo para iluminar o local onde estava para poder consumir drogas. Quando a mulher foi presa, Sara disse que não chamou as autoridades por causa disso.

"The Senator", antes e depois do incêndio
O Departamento de Agricultura da Flórida informou que Sara mostrou a imagem da árvore queimando a vários amigos e afirmou: "não posso acreditar que eu tenha queimado uma árvore mais antiga do que Jesus".

Sara Barnes foi acusada de queimar um bem público e de posse e venda de drogas. O cipreste era um atrativo turístico da Flórida desde o século XIX.

Os investigadores chegaram a sugerir várias teorias para o incêndio, chegando a acreditar que um raio teria caído em cima da árvore durante uma tempestade elétrica que foi registrada na região, o que poderia ter provado um incêndio interno que não foi detectado.

O tronco da mítica árvore estava oco e não havia indícios de que o fogo tivesse começado em seu interior, ao mesmo tempo que as chamas não atingiram a vegetação em seu entorno. fonte: ÚLTIMO SEGUNDO

EUA fazem testes com canhão eletromagnético de alta destruição


As imagens mostram testes feitos com a "Rail Gun", o canhão eletromagnético de altíssima destruição. O investimento feito é de 10 milhões de dólares e a velocidade dos mísseis projetados podem atingir até 8 mil km/h.

A "Rail Gun", como é conhecida dos EUA é um canhão eletromagnético capaz de atirar projéteis em altas velocidades; o que resulta em uma arma de alta destruição, capaz de atingir objetos muito distantes.

O funcionamento deles é complexo: dois trilhos eletromagnéticos paralelos são conectados a fontes de energia, criando uma corrente elétrica e um poderoso campo magnético. A combinação de várias forças resulta na aceleração dos projéteis pelos trilhos, fazendo com que o disparo seja efetuado.

Com uma fonte de energia muito potente, os disparos podem acontecer em até 8 mil km/h. Há alguns anos que o armamento está sendo testado pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, mas ainda há muito o que ser aprimoradofonte: TVIG