sábado, 14 de janeiro de 2012

Comandante do cruzeiro que naufragou na Itália é acusado de homicídio culposo

O comandante do Costa Concordia, navio que naufragou na noite desta sexta-feira na costa italiana, próximo à ilha de Giglio, na cidade de Grosseto, foi detido e interrogado pelo procurador chefe da localidade, Francesco Verusio.


Francesco Schettino, de 52 nos e natural de Nápoles, foi ouvido por várias horas por Verusio, após o navio que pilotava e que transportava 4.229 pessoas ter encalhado a 500 metros da ilha toscana.

A promotoria o acusa de homicídio culposo múltiplo, naufrágio e abandono do navio enquanto muitos passageiros ainda se encontravam na embarcação.

De acordo com a imprensa italiana, o comandante deixou o cruzeiro por volta das 23h30 (hora local), quando parte dos tripulantes e dos passageiros ainda aguardavam para serem levados. As últimas pessoas só deixaram o navio por volta das 2h30 e 3h deste sábado.

Dano causado no casco do navio de cruzeiro italiano
Outro tripulante do Costa Concordia, o primeiro oficial da ponte de comande, Ciro Ambrosi, também está sendo investigado, de acordo com a imprensa local.

A caixa-preta da embarcação, na qual se encontram as gravações das conversas entre o navio e o porto de Livorno, o mais importante da região, já foi recuperada, informou o procurador chefe.

Verusio disse que o impacto com as rochas aconteceu às 21h45 e que as capitanias dos portos próximos não foram avisadas imediatamente.

De acordo com a primeira reconstituição feita por Verusio, o capitão se aproximou demais da ilha de Giglio, fez uma manobra errada e o lado esquerdo do casco do navio se chocou com as rochas. Em pouco tempo, muita água entrou dentro da embarcação.

De acordo com a companhia proprietária do navio, a Costa Cruzeiros, o comandante Schettino assegurou neste sábado que as pedras não apareciam no mapa que estava no Costa Concordia.

Até o momento, três pessoas morreram no acidente, dois turistas franceses e um peruano membro da tripulação. Entre 60 e 70 passageiros ainda estão desaparecidos, segundo informou o comandante Cosimo Nicastro, do Comando Geral da Guarda Litorânea da Itália.

Nicastro afirmou à imprensa no porto Santo Stefano, o mais próximo à ilha de Giglio, que esses números ainda não são definitivos. Mergulhadores estão realizando buscas no interior da embarcação, que está inclinada a 80 graus e encalhada num banco de areia de 30 metros de profundidade. fonte: EFE

COSTA CONCORDIA: Socorristas encontram dois sobreviventes em navio naufragado

Um homem e uma mulher foram encontrados com vida na madrugada deste domingo a bordo do navio de cruzeiro "Costa Concordia", que naufragou próximo à ilha de Giglio, no litoral da Toscana, informaram os bombeiros italianos.

Os dois responderam ao chamado dos socorristas, mas ainda não puderam ser resgatados, revelaram os bombeiros. 

"Conseguimos falar com os dois, mas ainda não foi possível chegar até eles", disse Luca Cari, porta-voz da brigada dos bombeiros no local. "Temos 35 homens tentando acessar o local".

Estão dois deques abaixo dos socorristas, na parte alagada do navio, revelou o porta-voz.

Ao menos 40 pessoas "não foram localizadas" após o naufrágio do "Costa Concordia" na madrugada de sábado, que deixou três mortos e 40 feridos.

A capitania do porto de Livorno evita utilizar o termo "desaparecido" para as pessoas "ainda não localizadas", estimando que muitos passageiros do navio devem estar a salvo em terra, mas sem a devida identificação.

O navio levava 4.231 pessoas a bordo, a maioria turistas italianos, mas também cerca de 500 alemães, 150 franceses, 53 brasileiros e vários japoneses, indianos e espanhóis.

Os brasileiros - 47 passageiros e seis tripulantes - estão sãos e salvos, segundo a embaixada do Brasil em Roma.

Grupos de mergulhadores seguem a procura de vítimas na parte alagada do navio, que passou sobre uma rocha perto da ilha de Giglio. fonte: AFP

Estrelas da CES 2012, ultrabooks 'top' fazem inicialização do Windows em até 20 segundos

Esqueça a inicialização do seu computador atual, que provavelmente dura quase um minuto. Muitos fabricantes desembarcaram na CES 2012 com computadores top de linha da categoria ultrabook, que iniciam o Windows em até 20 segundos. Nessa nova categoria de computadores criada pela Intel, as fabricantes brigam pela menor espessura do computador, menor peso e também menor tempo de inicialização da máquina. 

Na estande da Intel – a “responsável” pela nova categoria –, a reportagem do UOL Tecnologia fez um teste rápido de inicialização de sistema operacional em cinco modelos top de linha: Asus Zenbook UX31 (Intel Core i7), Dell XPS 13 (Intel Core i5 ou i7), Toshiba Portégé Z830 (Intel Core i7), Acer S3 (Intel Core i5) e no Lenovo U300S (Intel Core i7). 

Todos inicializaram em até 20 segundos – o que já faz muita diferença para qualquer usuários do sistema operacional Windows 7. Entre os cinco computadores testados, o mais rápido foi o Toshiba Portégé Z830, que iniciou o Windows completamente em 14 segundos. Na sequência, vem o Asus Zenbook UX31 (16 segundos) e o Dell XPS 13 (19 segundos). Empataram Lenovo U300S e o Acer, com 20 segundos cada.

Além da rapidez, os aparelhos chamam a atenção pelo peso. A maioria deles não passa de 1,3 kg (esta é a hora que você pega um saco de feijão de 1 kg e compara com o peso de seu PC). Ainda na parte física, os computadores ultrabook têm um design muito bonito inspirado (ainda que veladamente) na linha de computadores MacBook Air, da Apple, lançado em 2008.

Outra característica interessante desta categoria é a ausência dos HDs (discos rígidos). Quase todos os computadores vêm com discos SSD (Solid State Drive), caracterizados pela rapidez e resistência – um computador com disco SSD pode ser balançado que não há risco de danificação do disco rígido, como ocorre em laptops convencionais.

Nos Estados Unidos, a maioria dos ultrabooks já está disponível ou terá a venda inicializada até o fim do primeiro trimestre. No mercado norte-americano, o preço “padrão” dos tablets é US$ 1.000 (aproximadamente R$ 1,8 mil). Já no Brasil, é possível adquirir um dos poucos disponíveis – há modelos Asus Zenbook e Acer S3 -- por cerca de R$ 3.000. fonte: UOL