quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Stephen Hawking diz que passa o dia pensando em mulheres

Um dos mais famosos físicos em atividade, o britânico Stephen Hawking revelou que são as mulheres --e não buracos negros ou outros mistérios do Cosmos-- que ocupam a maior parte de seus pensamentos durante o dia.

"Elas são um completo mistério", disse o cientista à revista "New Scientist", que traz uma entrevista em comemoração ao aniversário de 70 anos de Hawking, no próximo domingo.

O físico recebeu o diagnóstico de esclerose lateral amiotrófica, uma doença degenerativa, aos 21 anos. Na ocasião, os médicos lhe deram apenas alguns anos a mais de vida.

A doença trouxe vários inconvenientes e lhe tirou a maioria dos movimentos. Mas, ainda assim, Hawking, não apenas sobreviveu, como também cultivou uma produtiva carreira, com ênfase sobretudo no estudo de buracos negros.

Segundo o cientista, se ele começasse a pesquisar hoje, não escolheria um campo de pesquisa consagrado, mas sim algo revolucionário.

"Eu teria uma nova ideia que abriria um novo campo [de estudo]".

O britânico casou-se duas vezes e tem três filhos. Fonte: FOLHA.COM

Canadense usa iPad como ''passaporte'' para entrar nos Estados Unidos

Martin Reisch, 33, apresentou uma imagem digitalizada do passaporte no tablet
ao policiais na fronteira com o Estado americano de Vermont e teve a passagem liberada
Um canadense conseguiu entrar legalmente nos Estados Unidos usando um iPad como ''passaporte'', segundo informações da “Canadian Press” nesta quarta (4). Sem o documento real em mãos, Martin Reisch, 33, apresentou uma imagem digitalizada no tablet aos policiais na fronteira com o Estado americano de Vermont e teve a passagem liberada. 

Reisch saiu de Montreal, no Canadá, e só percebeu que estava sem o documento quando já estava a meia hora da fronteira com Vermont, onde passaria o final de ano com amigos americanos. O canadense lembrou-se da imagem escaneada do passaporte no iPad e resolveu tentar usá-la como identificação. Caso a imagem no tablet não fosse aceita pelos policiais, Reisch teria de gastar duas horas e meia na viagem de volta para casa para buscar o passaporte.

Ao entregar o iPad ao policial, o viajante conta que ele pareceu um pouco aborrecido, mas que em cinco minutos a autoridade liberou sua passagem e desejou boas festas.

Fotocópias ou imagens escaneadas não são mencionadas como documento de identificação na lista aceita pela Autoridade Alfadegária e de Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos -- provavelmente o oficial abriu uma exceção.

“Acho que boa parte disso aconteceu porque era feriado e eu pareço uma pessoa suficientemente legal”, disse Reisch. Fonte: UOL

Laboratório americano é multado por testar vacina em crianças na Argentina

A Justiça argentina rejeitou a apelação do laboratório americano GlaxoSmithKline e determinou o pagamento de uma multa de 230 mil dólares por irregularidades cometidas nos testes de uma vacina em crianças de famílias pobres, informou uma fonte judicial na última terça-feira (3).

A sanção também atinge dois médicos e está relacionada com falhas em testes clínicos realizados entre 2007 e 2008 nas províncias de Santiago del Estero (norte), Mendoza e San Juan (noroeste), para monitorar o desenvolvimento de uma vacina contra a pneumonia e a otite média.

O laboratório e os dois pesquisadores "não cumpriram com os requisitos legais básicos para levar adiante os testes em quase 14 mil crianças", segundo a investigação realizada pela Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica (ANMAT).

O órgão determinou o pagamento de uma multa, decisão da qual a empresa apelou, mas foi finalmente confirmada pelo juiz da comissão econômica Marcelo Aguinsky, informou um porta-voz dessa comissão.

Segundo a ANMAT, foram detectadas falhas no procedimento de obtenção do consentimento, violando os direitos dos pacientes, lembrou o órgão em comunicado divulgado.

O caso tornou-se público devido a uma investigação realizada pelo jornal Clarín em 2007, que revelou que vários dos pais de crianças inoculadas em Santiago del Estero eram analfabetos e não compreendiam os termos científicos incluídos no formulário que assinavam para concordar com o estudo.

A ANMAT esclareceu que nenhuma morte foi causada pelos testes e que "a vacina encontra-se aprovada e em vigor em mais de 80 países (entre os quais a própria Argentina)".

A Federação Sindical de Profissionais de Saúde da Argentina (Fesprosa), citada pela imprensa local, disse que no país "não há figura do código penal que castigue os pesquisadores imorais", e portanto, "os culpados por usarem nossas crianças como porquinhos da índia nem sequer passarão por um julgamento". Fonte: AFP

Juiz rouba relógio do Palácio da Justiça e defesa pede anulação de julgamento de "Carlos, o Chacal"

"Carlos Chacal", terrorista venezuelano
A defesa do terrorista venezuelano Ilich Ramírez Sánchez, conhecido como "Carlos, o Chacal", pediu nesta terça-feira (3) a anulação de sua segunda condenação à prisão perpétua, pois durante o processo um dos juízes roubou um pêndulo do século 19 do Palácio da Justiça.

A imprensa revelou em dezembro passado que o magistrado, de 63 anos, furtou o pêndulo do escritório do presidente do Palácio da Justiça durante o processo contra "Carlos", acusado de cometer quatro atentados que deixaram vítimas fatais na França em 1982 e 1983.

O funcionário encarregado de regular o relógio denunciou o crime e foi aberta uma investigação sobre o fato. As câmeras de segurança do recinto mostraram que o juiz foi o autor do roubo.

Segundo a advogada e esposa de "Carlos", Isabelle Coutant Peyre, tal comportamento é "incompatível com o direito de julgar alguém", indicou em carta dirigida ao presidente do Tribunal de Apelação.

A advogada se queixou porque os envolvidos não foram informados do fato e tomaram conhecimento do furto pela imprensa. Isabelle disse que o veredito do tribunal está manchado por um vício congênito e pediu a anulação da sentença.

A defesa de "Carlos, o Chacal", já tinha anunciado, após conhecer o veredito do dia 15 de dezembro, que iria recorrer por considerar a decisão arbitrária e os juízes poucos independentes. Fonte: EFE