quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Em São Paulo, prefeitura aplica multa de R$ 2 mi e manda Center Norte fechar

O shopping Center Norte, na zona norte de São Paulo, foi multado em R$ 2 milhões nesta terça-feira pela prefeitura. Os técnicos da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente também determinaram a suspensão das atividades do shopping, dos estacionamentos, e das lojas Carrefour e Lar Center, que funcionam no mesmo complexo.

O motivo da multa e da suspensão é o não atendimento às exigências feitas pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), que multou o estabelecimento na semana passada por não ter instalado um sistema de extração de gases.

O shopping --um dos maiores da cidade-- e as lojas têm 72 horas para suspender totalmente suas atividades. O fechamento é válido por tempo indeterminado, até que o estabelecimento comprove o cumprimento de todas as exigências ambientais.

Na inspeção desta terça-feira, o Center Norte também foi intimado a atender medidas previstas na legislação municipal: manter o piso de 30% da área dos estacionamentos permeável e que haja uma árvore para cada 40m² de estacionamento.

O estabelecimento, que tem 331 lojas e estacionamento com capacidade para 7.000 vagas, afirma em seu site ser "o shopping de São Paulo que apresenta o maior volume de vendas por m² entre todos os empreendimentos da cidade".

Procurada, a assessoria de imprensa do shopping disse que não tinha conhecimento da multa, mas que a administração iria se manifestar ainda hoje.

CONTAMINAÇÃO

O estabelecimento, construído em 1984 sobre um antigo lixão, sofre com a decomposição de material orgânico do subsolo, o que tem jogado gás metano, em níveis perigosos, para o interior de algumas lojas, segundo relatórios da Cetesb.

No último dia 16, a companhia colocou todo o terreno do Center Norte na sua lista de áreas contaminadas críticas e disse que havia risco de explosão.

A Cetesb também determinou multa diária de R$ 17.450 ao shopping, válida por um mês. A punição deve persistir enquanto o shopping não cumprir as medidas exigidas pelo órgão.

Segundo o Center Norte, um sistema para extração do gás opera há 40 dias e outros oito sistemas similares estão sendo instalados em pontos estratégicos.

Na sexta-feira (23), o shopping chegou a divulgar que, em visita ao estabelecimento, técnicos da Cetesb fizeram medição do metano "em locais estratégicos" e constataram que não havia presença do gás.

Mas a companhia desmentiu o estabelecimento e confirmou o risco de explosão caso o gás fique confinado em ambientes fechados. FONTE: FOLHA ONLINE

Agricultor expulsa Rihanna de suas terras por fazer "topless"

Mal deixou o Brasil, onde se apresentou no Rock in Rio, a cantora Rihanna, 23, já está causando em outro local.

Na Irlanda do Norte, onde está fazendo shows, ela resolveu gravar o clipe da canção "We Found Love".

Para isso, alugou uma fazenda nos arredores da cidade de Bangor.

Só que ela não contava com o fato de o dono do terreno, Alan Graham, ser um católico fervoroso.

Ele expulsou a produção toda do local, segundo o "Daily Mirror", porque não gostou quando a morena tirou a blusa e ficou só de biquíni --o tabloide mostra fotos em que ela teria ficado sem nada na parte de cima.

"O comportamento dela foi inadequado", afirmou ao jornal. "Nunca tinha ouvido falar em Rihanna até alguém me ligar pedindo para usar as minhas terras."

O agricultor diz ainda que não houve contrato para o aluguel, apenas um acordo verbal, e que ele não sabia o que a produção faria no local.

Após a expulsão, ele diz que não sabe se receberá o dinheiro. FONTE: F5

Empate pode fazer seleção reviver trauma dos pênaltis

O técnico Mano Menezes pode reviver hoje o pesadelo de uma disputa por pênaltis. É o que prevê o regulamento do "Superclássico das Américas" em caso de novo empate entre Brasil e Argentina.

Na primeira partida do confronto, há duas semanas, em Córdoba, as seleções ficaram em um empate sem gols.

Neste ano, a equipe brasileira protagonizou o maior vexame de sua história numa disputa de penalidades. Nas quartas de final da Copa América, errou suas quatro cobranças ante o Paraguai e perdeu a série por 2 a 0.

Desde então, o Brasil teve um pênalti a seu favor no amistoso contra a Alemanha, em agosto. Robinho, que não havia batido na Copa América, converteu a cobrança.

Dos quatro que falharam no estádio Ciudad de La Plata, só o atacante Fred está em Belém. André Santos e Thiago Silva jogam na Europa e, portanto, não poderiam ser chamados. Elano deixou de ser convocado após o fiasco.

O goleiro titular hoje será Jefferson, que se notabilizou no Botafogo por defender pênaltis. "Precisa ter frieza nesses momentos", afirmou o camisa 1. "Mas a responsabilidade é dos atacantes." FONTE: FOLHA ONLINE

Regra antipirataria branda irrita a Fifa

A Fifa vê a falta de proteção a patrocinadores e produtos oficiais do Mundial-2014 como o principal problema da Lei Geral da Copa-2014.

Pela lei, foi determinado que quem comercializar produtos não-oficiais relacionados à Copa pode sofrer penas de um a três meses, ou multa. A Fifa queria prazo maior.

Outra questão é o valor das multas, que pode ser de até R$ 27,25 mil por dia para marketing de emboscada (em que empresas se aproveitam do Mundial) ou pirataria (em que se utilizam das marcas em produtos). Há a possibilidade de o processo estabelecer uma multa dependendo das perdas da Fifa em cada caso.

Fonte ligada à Fifa considera o valor irrisório perto do ganho que se poderia obter com o uso da imagem do Mundial de forma irregular. FONTE: FOLHA ONLINE

Novo iPhone deve ter tela maior e mudanças radicais no design

Tim Cook, novo executivo-chefe da Apple, durante apresentação da empresa
Desde o WWDC (Conferência Mundial de Desenvolvedores de Software da Apple) 2011, que ocorreu em junho, a Apple não faz um evento aberto para público e imprensa. No meio-tempo, a empresa perdeu seu executivo-chefe e mentor, Steve Jobs, e chegou a se tornar a maior empresa do mundo em valor de mercado.

Agora, é chegada a hora de lançar mais uma versão do carro-chefe de seu sucesso, o iPhone. Hoje, a empresa confirmou que vai conduzir um evento sobre seu smartphone no dia 4 de outubro, na sua sede em Cupertino, sem dar muitos detalhes.

A apresentação deve caber a Tim Cook, novo executivo-chefe da empresa. O evento, sem Jobs no comando da empresa, deve ser atípico. Mas o que esperar do novo aparelho que deve ser anunciado?

Por fora, a expectativa é de uma mudança radical. Vazamentos de acessórios do próximo aparelho, na China, indicam uma tela maior --a atual, de 3,5 polegadas, é pequena perto das de concorrentes, próximas de 5 polegadas--, um botão central mais largo e apto a gestos multitoque, menor espessura e menos peso.

Por dentro, o aparelho deverá contar com o mesmo processador do iPad 2, o A5, produzido pela própria Apple.

Apesar da expectativa, analistas acreditam que a empresa ainda não adicionará conexão a 4G (por meio da rede LTE) nem NFC (Near Field Communication, recurso usado para pagamentos com o smartphone, entre outras coisas), por acreditar que ambas as tecnologias são embrionárias e precisam ser aperfeiçoadas. As duas já são utilizadas em aparelhos com Android, concorrentes diretos do iPhone.

UM É POUCO?
Há indícios de que o próximo iPhone terá companhia: uma versão "popular", mais barata e criada com o intuito de aumentar a participação da empresa no mercado de telefonia móvel.

Al Gore, ex-vice-presidente americano e diretor do conselho da Apple, disse durante evento na África do Sul que "novos iPhones chegam no próximo mês" --o plural pode indicar que mais de um modelo será lançado.

Há a possibilidade de o aparelho mais barato ser o iPhone 4, com menor espaço interno (8 Gbytes), vendido por menor preço --tática que a Apple utiliza atualmente com o iPhone 3GS.

O evento provavelmente também será palco para o lançamento oficial da quinta grande versão do sistema operacional móvel da Apple, o iOS. Apresentado em junho, na WWDC, ele traz uma série de novidades, como o novo recurso de notificação, semelhante ao adotado pelo Android, e um sistema de mensagens gratuitas entre aparelhos com iOS, o iMessage.

VAZAMENTO
Mesmo com o esforço da Apple em manter sigilo absoluto sobre seus novos aparelhos, as notícias chegam pelo outro lado do mundo: como o aparelho é fabricado na Foxconn, na China, fabricantes têm acesso adiantado e começam a fabricação de acessórios antes do lançamento oficial. E, diferente da Apple, tais fabricantes não prezam pela segurança máxima de suas criações. FONTE: FOLHA ONLINE

Companhia aérea japonesa é a primeira a receber novo Boeing 787

A companhia aérea japonesa All Nippon Airways (ANA) foi a primeira a receber nesta quarta-feira, com mais de três anos de atraso, o novíssimo avião 787 Dreamliner da Boeing.

A aeronave pousou por volta das 9h locais (21h em Brasília) no aeroporto Haneda de Tóquio, em um evento acompanhado pelos meios de comunicação, empresários e por fãs da aeronáutica.

A Boeing afirma que seu novo avião consome 20% a menos que os aparelhos do mesmo tamanho no mercado, um critério fundamental para companhias cada vez mais confrontadas com a alta nos preços dos combustíveis.

A produção do 787 foi marcada por vários problemas técnicos, que custaram bilhões de dólares a Boeing e provocaram muitos cancelamentos.

A ANA, que fez um pedido de 55 aparelhos, esperava receber seu primeiro avião antes dos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

O diretor-geral da ANA, Shinichiro Ito, reafirmou nesta quarta-feira que o Boeing 787 terá um "papel-chave" na frota do grupo e em sua expansão internacional.

A primeira rota internacional do 787 será entre Tóquio e Hong Kong, seguida por Tóquio-Pequim, no final do ano, e por Tóquio-Frankfurt, no início de 2012.

A aeronave de longo alcance custa US$ 200 milhões e tem um elegante design. A Boeing vendeu mais de 800 Dreamliners, que competirão com o futuro Airbus A350, que ficará pronto provavelmente em meados desta década.

A Boeing espera elevar a produção do 787 para 10 unidades por mês até o final de 2013, enquanto acelera a produção do 737, que passou por uma atualização, e se prepara para montagem do cargueiro 767 para a força aérea dos Estados Unidos. FONTE: FRANCE PRESSE/REUTERS