terça-feira, 20 de setembro de 2011

Queda de satélite nesta semana aumenta tensão com lixo espacial

Um satélite desativado do tamanho de um ônibus vai cair em algum lugar da Terra nesta semana, provavelmente entre a quinta e a sexta-feira.

A informação é da Nasa (agência espacial americana), que afirma, porém, que as chances de que alguém seja atingido são mínimas --cerca de 1 em 3.200.


Lançado pela agência espacial americana em 1991, o Uars funcionou até 2005, observando a atmosfera.

Desde então, ele é apenas um entre vários satélites defuntos e outros objetos que sujam a órbita do planeta.

De acordo com a Nasa, há "pelo menos" 20 mil fragmentos com mais de 10 cm nos arredores terrestres.

Nesse "lixão" espacial tem de tudo. Desde satélites inteiros desativados, até peças de foguetes e naves. Também entram na conta câmeras fotográficas e até uma luva "perdidas" por astronautas.

No início do mês, um relatório do Conselho de Pesquisa Nacional dos EUA --entidade privada e sem fins lucrativos que fornece consultoria científica-- afirmou que os detritos espaciais chegaram a um "ponto crítico".

Em junho, o lixo espacial forçou a evacuação da ISS (Estação Espacial Internacional). Os astronautas tiveram que se refugiar na nave Soyuz porque um pedaço de satélite passaria muito próximo. Felizmente, o objeto se desviou e a tripulação pode retornar logo depois.

O bilionário laboratório flutuante, aliás, já foi projetado para resistir ao impacto de pequenos objetos.

Um de grandes proporções, porém, seria desastroso. Por isso, a nave conta com um sistema que permite desviá-la da rota do lixo desgovernado.

Para que isso aconteça, porém, é preciso que o objeto seja detectado com antecedência. Com a quantidade crescente de dejetos, monitorar isso tudo é cada vez mais caro e complicado.

RISCOS
Embora sempre exista a possibilidade de cair na cabeça de alguém, o maior risco mesmo, diz a Nasa, é o de que o lixo se choque com satélites ou naves, prejudicando e muito a nossa vida.

Vagando no espaço, até um fragmento mínimo pode provocar um grande estrago ao colidir com uma nave ou um satélite. Com isso serviços como GPS e transmissões de tevê e internet seriam gravemente prejudicados.

SOLUÇÃO
Apesar de desejável, ainda não é possível fazer uma faxina espacial. Não existe tecnologia para remover todos os fragmentos, especialmente os menores, da órbita terrestre. Os cientistas, porém, continuam tentando.

Entre as alternativas apresentadas, há desde a criação de um sistema de redes gigante, que conseguiria capturar a sujeira, além de sistemas de raios laser que desviariam o lixo de sua rota.  FONTE: FOLHA.COM

Confira testes e tabela de preços de ligações do Skype e do Gmail

Com preços agressivos e uma gigantesca base de usuários, o Google ampliou a função de ligações telefônicas por meio do Gmail, que antes funcionava em inglês nos EUA e no Canadá, para 38 idiomas.


O Skype, por sua vez, lançou um aplicativo otimizado para iPad e atualizou a versão para smartphones equipados com Android.

A gigante das buscas sai na frente quando o assunto é preço, mas o Skype tem mais opções de pagamento e oferece videochamadas entre uma gama maior de dispositivos.

GMAIL
E-mail, backup de arquivos, mensageiro instantâneo com videoconferência, gerenciador de múltiplas contas de correio eletrônico.

O Gmail, que já desempenha todas essas funções e, para muitas pessoas, representa parte essencial da vida virtual, ganhou uma atualização que promete tornar essa relação de dependência mais forte ainda.

O serviço, que já estava disponível em inglês (nos EUA e no Canadá), agora suporta 38 idiomas e realiza chamadas telefônicas para telefones fixos e celulares, nacionais ou internacionais, pelo próprio serviço de e-mail do Google.

O usuário do Gmail pode comprar créditos para as ligações em quatro moedas: euro, libra, dólar americano e dólar canadense.

Nos testes feitos pela Folha foram feitas chamadas locais e interurbanas. A qualidade do som é boa, semelhante à do Skype, embora ele capte mais ruído ambiente e seja um pouco mais baixo, mas nada que comprometa o entendimento da ligação.

A ferramenta é integrada ao bate-papo do Gmail e é bem fácil de usar.

Se em sua conta o serviço estiver disponível (ele está sendo implementado aos poucos), você verá um ícone verde em forma de telefone.

Ao clicar nele, abre-se uma nova janela em formato de teclado numérico de telefone -é preciso instalar um plug-in antes de usar o serviço pela primeira vez. É por essa janela que o usuário vai fazer a ligação, monitorar as chamadas feitas, saber quanto foi gasto em cada uma delas e quantos créditos restam.

SKYPE
Usuários do iPad podem finalmente acessar uma versão do Skype otimizada para o tablet da Apple.

Desde o início da semana passada, o aplicativo oficial do serviço está disponível para download gratuito na loja virtual App Store.

Já era possível usar o Skype no iPad aproveitando o aplicativo lançado para iPhone em 2010. Mas tratava-se da versão otimizada para o celular da Apple -a recém-lançada está mais limpa e aproveita bem o espaço da tela de 9,7 polegadas do iPad.

É importante lembrar que apenas o iPad 2 faz videochamadas; a primeira versão do tablet suporta apenas voz e não tem câmera.

O Skype para iPad permite fazer e receber chamadas de vídeo gratuitamente entre usuários do programa.

A conexão com a internet pode ser via Wi-Fi ou 3G, embora as conversas por Wi-Fi funcionem muito melhor.

O aplicativo realiza chamadas de vídeo em qualidade VGA também para outras plataformas, como Windows, OS X e Android, entre outros.
Também está disponível para download no Android Market uma nova versão do Skype para o sistema.

Com essa atualização, agora é possível realizar e receber chamadas de vídeo no Android 2.2 Froyo, que equipa aparelhos como o Galaxy S II, o Galaxy S e o Galaxy Tab, da Samsung; o Flyer e o Sensation, da HTC; e o Xperia Play e o Mini Pro, da Sony Ericsson.

Os celulares com Android 2.2, no entanto, só podem usar a câmera traseira para chamadas de vídeo. FONTE: FOLHA.COM

Escaneando 2,4 bilhões de olhos, Índia tenta reduzir desigualdade

A migrante Vijaykanti tem suas íris escaneadas para receber um cartão de identidade nacional na Índia
Por toda esta vasta e caótica nação, funcionários estão criando o que será o maior banco de dados de identificação biométrica do mundo, reunindo 1,2 bilhão de indivíduos. Mais radical do que seu tamanho, no entanto, é a sua ambição: reduzir a desigualdade que corrói a ascensão econômica indiana, ao vincular digitalmente cada pessoa do país ao avassalador crescimento nacional.


O programa permitirá que os cidadãos recebam benefícios sociais, abram uma conta bancária ou obtenham um telefone celular em aldeias remotas, algo que ainda é impossível para muita gente hoje em dia.

Há décadas a gigantesca e ineficaz burocracia indiana gasta bilhões de dólares para tentar tirar os pobres da miséria. Mas grande parte do dinheiro é desperdiçada. Agora, usando a mesma tecnologia poderosa que transformou a economia privada do país, o governo indiano criou uma pequena "start-up" para tentar transformar --ou contornar-- a paralisante burocracia legada pelo passado socialista do país.

"O que estamos criando é tão importante quanto uma estrada", disse Nandan Nilekani, bilionário magnata do setor de software, cooptado pelo governo para criar o banco de dados. "É uma estrada que de certa forma liga cada indivíduo ao Estado."

Nesse programa, cada cidadão recebe um RG de 12 dígitos depois de ter as íris e impressões digitais registradas digitalmente. Trata-se de uma solução engenhosa para um problema particularmente complicado.

A maioria dos cidadãos mais pobres da Índia, como os daqui de Kaldari, vive atada a um sistema de identificação baseado nas aldeias, o que torna a migração, crucial para qualquer economia em crescimento, muito mais difícil.

O projeto também pode reduzir a corrupção. Com a transmissão eletrônica de dados e a verificação deles por muitos órgãos governamentais, fica muito mais difícil para funcionários desonestos se apropriarem dos benefícios dirigidos aos cidadãos.

Com o novo sistema, chamado Aadhaar ("Fundação"), qualquer indiano poderá ter sua identidade verificada em oito segundos em qualquer lugar do país, com o auxílio de equipamentos portáteis e baratos, ligados à rede de telefonia celular.

Ele ajudará também na construção de uma verdadeira cidadania, numa sociedade onde a identidade é quase sempre mediada por um grupo --casta, parentesco ou religião. O Aadhaar deve, pela primeira vez, identificar cada indiano como um indivíduo.

Embora seja a segunda economia que mais cresce no mundo, a Índia tem mais de 400 milhões de cidadãos na pobreza. Quase metade das crianças menores de 5 anos está abaixo do peso ideal.

Os custosos sistemas de bem-estar social da Índia são tão ineficientes que há armazéns abarrotados de grãos apodrecendo, apesar dos índices de desnutrição que rivalizam com os da África. Muitos alimentos são desviados para o mercado privado antes de chegarem aos famintos.

Os sistemas atuais são incapazes de conectar as necessidades mais básicas dos cidadãos à ajuda que está disponível. Com a tecnologia, dizem partidários do projeto, as pessoas poderiam interagir com o Estado sem depender das autoridades locais que controlam os serviços governamentais.

"Não é possível melhorar o ser humano", disse Ram Sevak Sharma, diretor-geral do programa de identificação. "Mas pode-se certamente melhorar os sistemas. E os mesmos seres humanos imperfeitos, com um sistema melhor, serão capazes de produzir resultados maiores e melhores."

O governo criou uma instituição híbrida incomum: uma pequena equipe de burocratas da elite, colaborando com veteranos de "start-ups" do Vale do Silício e com as mais respeitadas empresas de tecnologia de Bangalore.

O projeto empregará apenas algumas centenas de pessoas, e companhias privadas irão convocar os cidadãos.

O custo de cada RG é de cerca de US$ 3, e mais de 30 milhões de pessoas já o receberam. O processo é gratuito e voluntário.

Esquerdistas temem que o banco de dados corroa o papel do Estado no auxílio aos pobres. Por enquanto não houve objeção de burocratas, políticos e empresários poderosos e corruptos, mas isso quase certamente irá acontecer quando os empecilhos ao seu "modus operandi" ficarem evidentes.

Nilekani, o responsável pelo projeto, foi cofundador da mais famosa "start-up" indiana. Em 1981, ele reuniu um capital de 10 mil rupias (cerca de US$ 1.100) com seis colegas para criar a Infosys, que hoje vale US$ 30 bilhões e emprega mais de 130 mil pessoas no mundo todo.

Ele deixou a presidência da Infosys para supervisionar a iniciativa. "Eu sou um empreendedor dentro do sistema", explicou. Tal ideia no passado seria simplesmente impensável.

Nilekani, 56, vem de uma época em que quase toda a iniciativa privada na Índia estava sufocada sob a chamada Licença Raj, o antigo sistema que governava a economia fechada da Índia. Isso significava que o empreendedorismo era quase impossível.

Quando o governo decidiu criar o sistema único de identificação, Nilekani soube aproveitar a oportunidade de comandá-lo. Embora com status de ministro, ele ficaria à frente de um órgão público pequeno e aparentemente obscuro.

"Quem não está familiarizado com a tecnologia não entende como isso é grande", disse um funcionário do projeto.

Não surpreende, portanto, que algumas pessoas vejam a ideia de centralizar a identificação dos cidadãos como um pesadelo distópico. Defensores da privacidade receiam que o governo use o programa para rastrear os cidadãos. A Índia não tem leis robustas para a proteção da privacidade. Por isso, o banco de dados foi concebido para conter o mínimo de informações --apenas nome, data de nascimento, sexo e endereço.

Quando alguém for confirmar a identidade de uma pessoa usando o RG, o banco de dados fornecerá apenas uma resposta do tipo sim ou não.

Muitos críticos influentes argumentam que a iniciativa é cara --US$ 326 milhões foram reservados para ela no próximo ano fiscal, e o projeto deve levar uma década para ser concluído-- e desnecessária, porque há formas mais fáceis de combater a corrupção. O Estado de Chhattisgarh, no centro da Índia, reduziu drasticamente o desperdício e as fraudes na distribuição de grãos subsidiados graças a cartões inteligentes.

Mas o projeto recebe um grau de apoio incomum por parte dos altos escalões do governo.

À sombra de um viaduto em Nova Déli, um grupo de sem-teto fazia fila à espera da identificação. O puxador de riquixá Mohammed Jalil não tem conta bancária, o que dificulta qualquer poupança. Gente pobre como ele tem direito a subsídios para alimentação, moradia e saúde, mas ele não tem acesso a nada disso. Jalil espera que o Aadhaar lhe permita abrir uma conta bancária. Ele poderia também obter carteira de motorista e celular.

"Isso vai me dar uma identidade", disse. "Vai mostrar que eu sou um ser humano, que estou vivo, que vivo neste planeta. Vai provar que sou um indiano."  FONTE: NEW YORK TIMES

Metrô de Londres bane cartaz de disco de Lou Reed com Metallica

O metrô de Londres baniu nesta terça (20) pôsteres do disco "Lulu", aguardada parceria entre o cantor Lou Reed e a banda Metallica, informa o semanário "New Musical Express".

Segundo a administração do metrô, o cartaz promocional foi proibido porque seria muito parecido com grafite, estilo de arte urbana.

O pôster mostra um manequim sem braços e com o nome do disco, aparentemente, escrito com sangue.

"Lulu" será lançado no dia 31 de outubro e traz letras do ex-cantor da banda Velvet Underground inspiradas em peças do dramaturgo Frank Wedekind.

Segundo o vocalista do Metallica, James Hetfield, as composições o fizeram chorar. FONTE: FOLHA.COM

"Tropa de Elite 2" é indicado pelo Brasil a vaga no Oscar

O filme "Tropa de Elite 2" será o representante brasileiro na disputa por uma vaga de melhor filme estrangeiro em 2012. A escolha foi anunciada nesta terça-feira no Rio.

O longa foi escolhido por uma comissão composta pela secretária do Audiovisual do MinC, Ana Paula Dourado Santana, o presidente da Associação Brasileira de Cinematografia, Carlos Eduardo Carvalho Pacheco, o ministro do Departamento Cultural do Itamaraty, George Torquato Firmeza, e os representantes da Academia Brasileira de Cinema, Jorge Humberto de Freitas Peregrino, Nelson Hoineff, Roberto Farias e Silvia Maria Sachs Rabello.

Os indicados ao Oscar serão anunciados dia 24 de janeiro e os prêmios serão entregues em 26 de fevereiro no Kodak Theater, em Los Angeles.

"Tropa de Elite 2" disputava a vaga com outros 14 filmes, entre eles estavam "Bruna Surfistinha", "Assalto ao Banco Central", "As Mães de Chico Xavier", "Quebrando o Tabu" e "Trabalhar Cansa".

Dirigido por José Padilha, "Tropa 2" é o filme brasileiro mais visto da história com mais de 10 milhões de espectadores.

O último filme brasileiro a ser indicado na categoria foi "Central do Brasil", em 1999. FONTE: FOLHA.COM

Polícia impede desembarque de nigerianos escondidos em navio

A Polícia Federal (PF) impediu nesta terça-feira (20) o desembarque de nove nigerianos no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná. Eles estavam escondidos no leme de um navio turco que saiu da Nigéria em 4 de setembro. O comandante só descobriu a presença dos clandestinos no dia 15. Os nigerianos estão bem e abrigados no próprio navio.


“A lei do Estatuto do Estrangeiro não determina que eu autorize o desembarque e eu não posso colocar a sociedade em risco”, afirmou ao G1 o delegado da PF Jorge Fayad. Segundo Fayad, a vida pregressa dos estrangeiros não é conhecida, eles podem estar infectados com alguma doença contagiosa ou podem provocar transtornos à comunidade de Paranaguá, como de acordo com o delegado, ocorreu em outra situação cujo desembarque foi autorizado.

O delegado lembrou ainda que é recorrente casos de clandestinos que entram no país para trazer drogas ou levar entorpecentes para outras nações.

Multa
A empresa marítima foi multada em R$ 827 e é responsável pelo retorno dos nigerianos. De acordo com Jorge Fayad, quando a tripulação sair do território brasileiro deve levar os clandestinos. “A rigor, se eles entraram no navio, houve uma falta de vigilância, então, eles têm que solucionar este problema”, complementou o delegado.

O navio veio ao Brasil para buscar 47 mil toneladas de farelo de soja. A previsão é a de que o navio deixe Paranaguá no sábado (24). FONTE: G1

Médicos anunciam boicote a planos nesta quarta em 23 estados e DF

Representantes da Comissão Nacional de Saúde Suplementar anunciaram nesta terça-feira (20), em Brasília, que vão paralisar os atendimentos de consultas médicas e cirurgias eletivas de operadoras de planos de saúde em 24 unidades da federação nesta quarta-feira (21).

O atendimento de urgência será feito normalmente, de acordo a comissão, que é formada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e da Federação Nacional de Médicos (Fenam).

Apenas Amazonas, Roraima e Rio Grande do Norte não aderiram à paralisação.

O atendimento a todos os planos será suspenso em nove estados: Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Tocantins. Nos demais estados, o boicote dos médicos será a apenas alguns planos de saúde.

Enquanto a paralisação vai ocorrer somente na quarta-feira (21) na maioria das unidades da federação, na Bahia, o boicote aos planos vai durar sete dias. Em São Paulo, a paralisação do atendimento começou no dia 1º de setembro em sistema de rodízio entre planos de saúde e vai até o dia 30.

A Comissão Nacional de Saúde Suplementar calcula que há 1.044 operadoras de saúde suplementar em funcionamento do Brasil. Mais de 46 milhões de brasileiros têm planos de saúde no país. Aproximadamente 150 mil dos 347 mil médicos registrados no Conselho Federal de Medicina atendem usuários de planos de saúde.

A principal reivindicação dos médicos é o reajuste no valor pago pelas consultas. De acordo com o presidente da Associação Médica Brasileira, Florentino Cardoso, a média nacional paga pelos planos de saúde aos médicos é de R$ 40 por consulta. Eles querem ao menos R$ 60 por consulta. Segundo ele, o maior valor pago é R$ 80; o menor, R$ 15.

"R$ 40 é menos que um corte de cabelo na Zona Sul do Rio de Janeiro", disse o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, Aloísio Tibiriça Miranda.

Cardoso aponta que a inflação nos últimos dez anos foi de 120%. O reajuste autorizado pela Agência Nacional de Saúde (ANS) aos planos no mesmo período, disse ele, foi de 150%, enquanto os honorários médicos não teriam atingido 50%.

Os médicos alegam que desde o dia 7 de abril, quando foi realizada a primeira paralisação dos planos de saúde, as operadoras foram chamadas a negociar. Algumas delas teriam acolhido a pauta dos médicos, dando resposta positiva aos pleitos apresentados. No entanto,algumas empresas não se manifestaram, evitaram o diálogo ou apresentaram propostas insatisfatórias.Justiça

Em maio, o Ministério da Justiça anunciou medidas para impedir que os médicos vinculados a planos de saúde paralisassem os serviços ou fizessem cobranças adicionais sobre o valor das consultas.

Os médicos conseguiram na Justiça suspender as medidas, mas o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) cassou a liminar que permitia o boicote a planos de saúde. Durante o anúncio da paralisação, os representantes das entidades afirmaram que a ação deste dia 21 tem respaldo legal.

A assessoria do Ministério da Justiça esclareceu que paralisações pontuais ou em forma de rodízio não ferem as medidas anunciadas pelo governo.

Veja a lista dos planos que serão atingidos pela paralisação:

Acre: Unimed, Assefaz, Casf, Caixa Econômica, Cassi, Capesep, Correios, Eletronorte, Embrapa, Fassincra, Geap, Sesi/DR/AC, Plan - Assiste e ConabAlagoas: Smile, Hapvida, Amil e Unimed

Amapá: SulAmérica, Amil e Grupo Unidas (Plan - Assiste, Geap, Fassincra, Eletronorte, Embrapa, Assefaz, Cassi, Capesaúde, Caixa Econômica, Correios, Embratel)

Bahia: Amil, Medial, Hapvida, Norclínicas/Intermédica, Life Empresarial, Geap, Cassi, Petrobras, Golden Cross e Promédica

Distrito Federal: Amil, Bradesco, Golden Cross e SulAmérica

Ceará: todas as operadoras

Espírito Santo: todas as operadoras

Goiás: Imas, Geap, Golden Cross, Itaú, Mediservice e SulAmérica

Maranhão: todas as operadoras

Mato Grosso: todas as operadoras

Mato Grosso do Sul: todas as operadoras

Minas Gerais: todas as operadoras

Pará: Hapvida, Grupo Lider, Cassi, Ipamb, Iasep, Geap e hospitais militares (Polícia Militar, Naval e Exército)

Paraíba: Geap, Amil, Smile, Hapvida, Norclínica, SulAmáerica e Saúde Excelsior

Paraná: todas as operadoras

Pernambuco: Samaritano Viva, Ideal Saúde, Golden Cross, Real Saúde, América Saúde, Hapvida/Santa Clara

Piauí: Capesaúde, Cassi, Correios Saúde, Geap, Saúde Caixa e Uniplam

Rio de Janeiro: todas as operadoras

Rio Grande do Sul: Afivesc, Assefaz, Bacen, Bradesco, Cabergs, Caixa, Canoasprev/Fassem, Capesesp, Casembra, Casf, Cassi, Centro Clínico Gaúcho, Conab, Doctor Clin, ECT, Eletrosul/Elos, Embratel, Fassincra, Geap, Golden Cross, Infraero, IRB, Petrobras, Petrobras Distribuidora, Plan Assist, Proasa, Pró-Salute, Sameisa, Serpro, Sesef, SulAmérica, Unafisco, Usiminas e Wal-Mart.

Rondônia: Unimed, Ameron, SulAmérica e Bradesco

Santa Catarina: todas as operadoras que atuam no estado, exceto Assefaz, Saúde Caixa, Capesesp, Cassi, Celos, Correios Saúde, Conab, Eletrosul, Embratel, Elos Saúde, Fassincra, Cooperativas Médicas e Funservir

São Paulo: Ameplan, Golden Cross, Green Line, Intermédica, Notre Dame, Prosaúde, Blue Life, Dix Amico, Medial, Geap e Volkswagen

Sergipe: operadoras que atuam no estado, exceto Assec/Cehop, Assefaz, Cagipe, Camed, Capesep, Casec, Casembrapa, Casse, Cassi, Cassind, ECT, Embratel, Fachesf, Fassincra, Pasa, Petrobras, Petrobras Distribuidora, Plan Assiste, Proasa, Saúde Caixa e Sesef

Tocantins: todas as operadoras
FONTE: G1

NÃO TEVE JEITO: Nova foto de Scarlett Johansson cai na internet

Scarlett Johansson, 26, não intimidou os hackers que invadiram seu celular.


Apesar de ter ameaçado processar quem publicasse suas fotos íntimas, uma nova imagem dela surgiu nesta terça-feira (20) na internet.

Nela, a atriz aparece deitada numa cama, só de calcinha fio-dental e blusa, mas com boa parte do bumbum à mostra.

Ela parece estar lendo o roteiro de um filme e tem uma lapiseira na mão.

De acordo com o Celeb Jihad, que publicou a imagem, quem passou a imagem foi a mesma pessoa que havia mandado outras duas fotos na semana passada.

"Que isso sirva como outro exemplo perturbador do estado de extrema ruína moral das celebridades de hoje em dia", diz o site.

O vazamento das fotos de Scarlett e outras celebridades está sendo investigado pelo FBI, a polícia federal americana.


A divulgação das fotos causou comoção na internet e gerou uma série de imitações em sites da rede. FONTE: F5

Crise financeira pode gerar aumento da inadimplência no país, alerta BC

O Banco Central alertou nesta terça-feira (20) que a crise financeira internacional pode resultar em aumento do desemprego e queda da renda no Brasil, o que, por sua vez, pode aumentar a inadimplência das pessoas físicas levando em conta "o crescente endividamento das famílias nos últimos anos".

O alerta foi feito por meio do relatório de estabilidade financeira, no qual o Banco Central analisa a situação do sistema financeiro nacional. "Os cenários de curto e de médio prazo podem apresentar desafios às instituições do sistema bancário, dependendo principalmente da repercussão interna dos desdobramentos associados ao cenário financeiro internacional", avaliou a autoridade monetária no documento.

Embora o risco do aumento da inadimplência seja baixo para o sistema financeiro como um todo, em termos de "liquidez" (recursos disponíveis), diz o BC, a distribuição não é uniforme entre as instituições. Dessa forma, argumenta o BC, uma eventual restrição [de liquidez, ou seja, de acesso a recursos] pode resultar em situação de relativo estresse para algumas instituições", informou a autoridade monetária.

Empresas
No crédito às empresas, acrescentou o Banco Central, ganharam relevância as operações destinadas às pessoas jurídicas de menor porte. "Apesar da salutar desconcentração do crédito, historicamente, a inadimplência desse segmento é mais sensível a variações no ambiente macroeconômico", avaliou a instituição.

Nesse contexto, segundo a autoridade monetária, cabe às instituições financeiras "dimensionar de forma correta o risco resultante na carteira, aperfeiçoando os modelos de concessão e gerenciamento de riscos, de forma a mitigar perdas por atrasos ou risco de inadimplência".

Patamar atual da inadimplência
O último dado divulgado pelo Banco Central sobre a taxa de inadimplência das pessoas físicas e das empresas revela que ela atingiu, em julho, 5,2% - permanecendo, assim, no patamar mais elevado desde fevereiro de 2010, quando estava em 5,3%. A inadimplência medida pela autoridade monetária refere-se a operações com atrasos superiores a 90 dias.

Comprometimento da renda familiar
O BC informou que revisou a sua metodologia de cálculo do comprometimento da renda das famílias com dívidas no sistema financeiro nacional. Somente com a mudança da metodologia, informou a autoridade monetária, o comprometimento da renda familiar caiu de 26,9% para 21,1% em julho deste ano.

A autoridade monetária também divulgou, porém, a série histórica revisada, ou seja, considerando o novo formato de cálculo. Os números do BC mostram crescimento do comprometimento da renda familiar, que estava em cerca de 16% em 2005, passando para 18% em julho de 2008 e chegando a 21% no mês retrasado. "Esse patamar [de 21,1%] não é assustador, mas temos que acompanhar de perto", disse o diretor de Fiscalização do BC, Anthero de Moraes Meirelles. FONTE: G1