sábado, 5 de agosto de 2017

Eleição direta no AM terá apoio de 4,4 mil militares das Forças Armadas

Cerca de 4,4 mil militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea Brasileira irão atuar durante o 1º turno das eleições suplementares que ocorrem neste domingo (6) para escolha do novo governador do Amazonas. O quantitativo de homens foi divulgado na quinta-feira (3) pelo Ministério da Defesa.


Os 23 municípios que receberão apoio do Ministério da Defesa são Autazes, Amaturá, Atalaia do Norte, Barcelos, Benjamin Constant, Boca do Acre, Coarí, Fonte Boa, Humaitá, Itacoatiara, Lábrea, Manacapuru, Manaus, Manicoré, Maués, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, Santa Isabel do Rio Negro, Santo Antônio do Içá, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença, Tabatinga e Tefé.

A eleição foi determinada no Amazonas após a cassação dos mandatos do ex-governador, José Melo, e do vice, Henrique Oliveira, por compra de votos nas eleições de 2014. O pleito chegou a ser suspenso por determinação do ministro Ricardo Levandowski em 28 de junho.

De acordo com o Ministério da Defesa, a atuação os militares se dará em 23 municípios. O objetivo é garantir reforço na segurança e a garantia da votação e apuração nas cidades amazonenses. As equipes também atuam no apoio logístico com transporte de pessoal e urnas.

Em julho, o presidente Michel Temer assinou decreto que autoriza o envio de militares das Forças Armadas para reforço na segurança durante a eleição direta. A partir de então foi firmado um acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Defesa e o TSE.

“Dos 4,4 mil militares, cerca de 340 são da Marinha, 3,7 mil do Exército e 290 da Força Aérea Brasileira. Também serão utilizadas durante as eleições aproximadamente 265 viaturas, 87 embarcações e cinco helicópteros das três Forças Singulares”, informou o Ministério.

Também irão atuar no policiamento dos locais de votação e entorno agentes da Polícia Federal, Polícia Civil e Polícia Militar.

Eleição direta

O 1º turno das eleições suplementares no Amazonas foi determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral em maio desse ano, após a cassação dos mandatos do ex-governador José Melo (Pros), e do vice, Henrique Oliveira (SD), por compra de votos nas eleições de 2014.

Neste domingo (6), mais de 2,3 milhões de eleitores do Amazonas devem voltar às urnas para escolher um novo governador.

FONTE: G1 AM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário ou sugestão: