sábado, 7 de abril de 2012

Efeito danoso de inseticidas na vida de abelhas é comprovado

Abelhas e suas primas próximas, as mamangabas, estão sendo afetadas por inseticidas usados para proteger culturas agrícolas de modos só agora descobertos.

Pesticidas pelo jeito não matam apenas pestes. O declínio de populações de abelhas, essenciais para a polinização de plantas, é um fenômeno que se suspeitava ser causado por eles. E agora dois estudos independentes publicados recentemente na revista "Science" demonstraram causa e efeito.

Os inseticidas para uso agrícola conhecidos como neonicotinoides começaram a ser usados no começo da década de 1990 e hoje são extremamente populares.

Um dos estudos, pela equipe de Penelope Whitehorn, da Universidade de Stirling, Reino Unido, investigou o impacto de um desses pesticidas, o imidacloprid, em mamangabas da espécie Bombus terrestris.

Um dos coautores do estudo, Dave Goulson, lembra que várias espécies de mamangabas se tornaram extintas em anos recentes nos EUA e no Reino Unido.

Depois de receberem doses não letais do pesticida, os insetos foram colocados em um lugar onde poderiam agir em condições naturais por seis semanas.

No final do experimento, as colônias de mamangabas que foram expostas ao pesticida eram em média entre 8% a 12% menores do que outras estudadas ao mesmo tempo sem o inseticida.

E ainda mais grave: as colônias expostas ao pesticida produziram 85% menos rainhas, essenciais para a reprodução de novas colônias.

Já uma equipe na França liderada por Mickaël Henry, do Instituto Francês de Pesquisa Agrícola em Avignon, usou um enfoque mais tecnológico: abelhas receberam minúsculos equipamentos de identificação por rádio grudados no tórax e tiveram seus movimentos minuciosamente detalhados.

Algumas delas receberam uma pequena dose de outro pesticida, o thiamethoxam.

As abelhas que receberam o pesticida morreram bem mais; as chances de não voltarem à colônia depois de saírem em busca de pólen eram de duas a três vezes maiores, pois com quase certeza o thiamethoxam interferiu na sua capacidade de navegação.

Abelhas e mamangabas são importantes para a polinização de culturas agrícolas, como árvores frutíferas. Que um pesticida usado para proteger um setor da agricultura afete outro é uma curiosa ironia, além de um grave problema potencial. fonte: FOLHA.COM

Novo plástico que 'sangra' se regenera sozinho

Um dia no futuro: você faz aquela baliza malfeita e fica com um arranhão no para-choque traseiro. De repente, o plástico cinza fica avermelhado na região do dano. Em alguns minutos, a mancha desaparece, assim como o risco. Problema resolvido.

Parece mágica? Bem, como dizia o saudoso escritor Arthur C. Clarke, qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível de magia. E é bem esse o caso do trabalho do engenheiro de materiais Marek Urban, da Universidade do Sul do Mississippi em Hattiesburg, nos Estados Unidos.

Financiado pelo Departamento de Defesa americano, ele está desenvolvendo plásticos que imitam a pele humana --são capazes de "sangrar" e cicatrizar quando cortados ou arranhados.

O pesquisador apresentou seu trabalho numa reunião da ACS (Sociedade Americana de Química, na sigla em inglês) e deu uma ideia de como funciona a invenção.
Plásticos são polímeros - compostos baseados em longas cadeias de átomos de carbono enfileirados. O segredo do trabalho de Urban foi implementar, em meio às cadeias, pequenas pontes, elos moleculares, que se quebram e mudam de forma quando o plástico sofre dano.

A mudança de forma leva à troca de cor --uma mancha vermelha se forma ao redor da avaria. Dessa forma, ela indica de forma inequívoca o problema causado.

Só isso já é uma grande vantagem: a exibição clara da avaria pode impedir que inspeções rápidas deixem de vê-la -o que não é bom quando se fala de um componente de uma máquina que não pode falhar em plena operação, como um avião.

Mas o negócio vai além. Uma vez "marcado" o dano, uma mudança ambiental previamente escolhida -desde a incidência de luz solar até alterações na acidez ou temperatura- leva à restruturação das pontes quebradas. O plástico se autorrepara e a mancha vermelha some.

REVOLUÇÃO - Plásticos que se regeneram são uma espécie de Santo Graal da ciência de materiais. Há outros modelos em desenvolvimento, mas o de Urban é o único que não precisa ser mergulhado em algum composto para eliminar o dano.

O pesquisador destaca que o autorreparo pode acontecer muitas vezes e que o material é mais amigável ao ambiente que outros plásticos, uma vez que o processo de produção é baseado em água, em vez de ingredientes tóxicos.

Embora o trabalho esteja no estágio da ciência básica, o pesquisador está entusiasmado com a possibilidade de vê-lo em aplicação em breve.

"Estamos trabalhando com grandes empresas para promover a comercialização", disse o pesquisador à Folha. "No campo da pesquisa, estamos explorando formas de combinar a capacidade de autorreparo com outros atributos. A meta é criar materiais amigáveis ao ambiente."

Os cientistas veem grande potencial imediato para o uso desses plásticos em componentes estruturais de aeronaves e em armamentos - não é à toa que a pesquisa é financiada pelos militares. Um dos próximos objetivos é criar materiais com essas características que sejam capazes de suportar altas temperaturas. fonte: FOLHA.COM

ERRO FATAL: Ator se enforca por acidente em encenação da Paixão de Cristo em SP

O ator Thiago Klimeck, 27, se enforcou acidentalmente durante a encenação da Paixão de Cristo em Itararé (a 345 km de SP) na noite de ontem.

Segundo a Guarda Municipal da cidade, por volta das 22h, o ator - que interpretava o personagem Judas - passou a corda envolta do pescoço para encenar o momento em que Judas foi enforcado.

Ele ficou quatro minutos sem se mexer até que os demais atores perceberam que ele estava inconsciente.

O ator foi levado desacordado pela Guarda Municipal para o hospital Santa Casa de Misericódia.

A peça era apresentada na praça Coronel Jordão - conhecida como praça da Matriz, na região central da cidade.

Na manhã deste sábado, o ator foi transferido, em estado grave, para um hospital de São Paulo.

O caso será investigado pela Polícia Civil da cidade. fonte: FOLHA.COM

Wi-fi grátis e ilimitado começa em Cumbica e outros oito aeroportos

Desde a última quarta-feira (4), passageiros podem acessar a internet de modo gratuito e ilimitado em sete dos maiores aeroportos brasileiros.

O acesso, sem fio, foi liberado nas áreas de embarque dos aeroportos de Cumbica (Guarulhos), Congonhas, Galeão, Santos Dumont, Recife, Fortaleza e Pampulha (MG).

A nova modalidade de internet também já está disponível nos aeroportos de Brasília e Porto Alegre.

O serviço é oferecido pela Infraero (estatal responsável pelos aeroportos), que fez um acordo com três operadoras: em troca de publicidade, elas não cobram pela internet.

Inicialmente, apenas a rede da TIM estará disponível.

Para usar o serviço, o passageiro será orientado a fazer um cadastro ao abrir o navegador. Depois, terá de inserir o número do cartão de embarque para validar o acesso.

Nos principais aeroportos do mundo, o mais comum é o acesso à internet ser cobrado. No Brasil, esse modelo tinha pouca demanda e não era atrativo para as empresas fornecedoras, diz Gustavo Vale, presidente da Infraero; daí a ideia de propor gratuidade.

A estatal disse que a fase experimental vai durar sete dias. Em Cumbica, 500 passageiros poderão acessar a internet simultaneamente; em Congonhas, 600, diz a TIM.

Nos dois casos, a oferta é inferior à demanda: em Cumbica passam cerca de 1.700 passageiros nas áreas de embarque por hora; em Congonhas, 1.300.

Com a entrada das outras duas empresas participantes (Linktel e Net), o número irá se expandir, avalia a Infraero, mas não está definido quando isso ocorrerá. A ideia é levar a internet gratuita ilimitada a 100% dos passageiros, afirma Vale.

Outros aeroportos receberão o serviço ainda neste mês. fonte: FOLHA.COM

Neil Young registra patentes de formato de áudio superior ao MP3

O astro do folk rock Neil Young parece estar de fato criando um novo formato de áudio digital, conforme ele mesmo anunciara. Duas patentes registradas no principal órgão americano de propriedade intelectual, divulgadas pela “Rolling Stone”, são evidências de que um “novo MP3″ –ou melhor, um “novo Flac”– com a marca do músico já dá seus primeiros passos.

O documento, disponível publicamente no site do USPTO (Escritório de Patentes e Marcas Registradas dos EUA), lista, em uma das patentes, os itens “gravações em áudio e em vídeo contendo música” e “áudio de alta resolução passível de download pela internet”, entre outros. A outra patente resume o conceito de uma loja física e virtual que venderia discos e arquivos digitais de alta fidelidade.

Abertamente desgostoso com a compressão comumente aplicada nos arquivos vendidos por iTunes e Amazon, por exemplo, Young vislumbra tornar disponível música de alta qualidade com tamanho reduzido.

Em comunicado à imprensa datado de setembro último, a empresa Blue Rider Press, que deve publicar a autobiografia de Neil Young ainda neste ano, alegou que o sistema pode ser baseado na computação em nuvem, oferecendo qualidade de áudio “de estúdio, superior a qualquer outra coisa já apresentada”.

O press release, à época, também adiantou como pode se chamar o formato (ou serviço): Pono.

O roqueiro ainda disse que tinha conversas com Steve Jobs, que morreu em outubro do ano passado.

A ideia que ambos discutiam era criar um reprodutor que comportasse cerca de 30 álbuns com qualidade de estúdio. Parece contraditório, já que um iPod de 160 Gbytes de capacidade pode facilmente armazenar mais de uma centena de discos no formato sem compressão da Apple, o Alac. Por outro lado, não sabemos o que ele quer dizer com “qualidade de estúdio”.

Como ainda deve enfrentar pelo menos um ano de burocracia, o lançamento do serviço deve acontecer, no mínimo, em 2013. fonte: FOLHA.COM

Em dois meses, “Pinterest pornô” consegue 15 mil usuários


O Pinterest é dominado pelo público feminino. Caçar imagens pela internet e, a partir delas, fazer uma seleção visualmente atraente parece simplesmente não ter apelo para os homens – que representam somente 2,1% dos fãs do Instagram no Facebook.

Pensando em um “Pinterest que os homens usassem”, o cofundador do Snatchly Neil Notts se focou no que faltava àquela rede social: pornografia.

Notts disse ao site “VentureBeat” que, apesar do repentino sucesso, ainda precisa descobrir como ganhar dinheiro com a iniciativa. “Mas queremos ter certeza de que continue limpo e não invasivo”, diz.

Fundado há dois meses, o site já aglomera 15 mil cadastros e uma quantidade considerável de “snatches”, como é possível averiguar na seção “browse” do serviço. A partir de um bom leque de tags, o internauta também pode navegar segundo seus interesses específicos.

Outra versão liberal do Pinterest, o Pornterest é um pouco menos parecida com o site original – e um tanto quanto mais poluída. fonte: FOLHA.COM

Sites de busca investem em sistema de pesquisa mais 'humano'

Esqueça os robôs humanoides e os mordomos mecânicos educados, que põem a mesa e colocam as crianças para dormir, típicos de filmes de ficção científica.

Os primeiros traços de humanidade incorporados por máquinas já começam a aparecer, em grande escala, nas ferramentas de buscas.

Amit Singhal, engenheiro sênior do Google, disse ao "Wall Street Journal" que, nos próximos meses, o mecanismo de busca da empresa será mais parecido com "a forma como os humanos entendem o mundo". É a próxima geração das buscas, processo em curso "há vários anos", segundo ele.

Singhal fala da busca semântica, sistema incorporado pelo Siri (assistente virtual da Apple presente no iPhone 4S) e por outro punhado de serviços que estão no mercado, como Wolfram Alpha, Sensebot e Yummly.

Atualmente, o modelo de buscas está baseado na relevância dos conteúdos dos sites e na quantidade de compartilhamentos do link da página, entre outros fatores.

Na busca semântica, esse modelo funciona a partir do cruzamento de dados, que são "interpretados" pelas máquinas para compreender o sentido dos termos buscados e, assim, oferecer resultados cada vez mais eficazes.

Trocando em miúdos: ao fazer uma busca, você poderá receber uma resposta direta, como um ser humano daria, em vez das grandes listas de endereços atuais.

"Fizemos progresso com a conversão de dados em informação e podemos dizer que estamos engatinhando na direção correta para transformar informação em conhecimento para as pessoas", disse o Google em nota à Folha.

Apesar de o buscador Bing ainda estar em fase beta, a Microsoft também mostrou sinais de que pretende investir na busca semântica.

A companhia comprou, em 2008, a start-up de pesquisa inteligente Powerset e incorporou elementos semânticos ao Bing (por enquanto, apenas na versão norte-americana), tais como respostas diretas e simples para perguntas como "quando é a Páscoa?".

PROATIVIDADE - O sistema semântico, quando aperfeiçoado, vai se tornar tão bom que não será preciso nem fazer as buscas, preveem os mais otimistas.

Segundo Rui Tramontin, professor-doutor de engenharia da computação na Universidade Federal de Santa Catarina, as possibilidades são gigantescas.

"Em um futuro próximo, o seu celular será capaz de captar uma dúvida sua durante uma conversa. Ou, de posse de seus gostos, ele poderá sugerir filmes ou restaurantes que sirvam seu tipo de comida, sem que você precise fazer pesquisa alguma. Será tudo baseado em contexto."  fonte:  FOLHA.COM

Governo abre mais bolsas de estudo em universidades estrangeiras

O programa Ciência sem Fronteiras, que dá bolsas de estudo em universidades estrangeiras, iniciou sua segunda fase. São 5.810 vagas para graduação sanduíche na Austrália, Bélgica, Canadá, Coreia do Sul, Espanha, Holanda e Portugal. As inscrições estão abertas até o dia 30 de abril.

Na primeira etapa do programa, foram concedidas 14.676 bolsas para EUA, França, Itália e Reino Unido. Segundo o ministro Aloizio Mercadante (Educação), a maior dificuldade hoje para oferecer as bolsas é a proficiência na língua estrangeira, especialmente em inglês. O estudante selecionado para o programa precisa apresentar uma pontuação mínima no TOEFL (Test of English as a Foreing Language), prova internacional que certifica o nível de proficiência em inglês.

"O desafio [do programa] é a proficiência em inglês, requisito básico para os candidatos serem aceitos em quase todas as universidades do programa. Por isso estamos nos mobilizando para aumentar a oferta de disciplinas em inglês nas universidades", afirmou.

O ministro recomendou ainda que aqueles estudantes que têm a intenção de pleitear bolsas de estudo fora do país pelo programa devem se adiantem e estudar a língua do país desejado e assim ter uma facilidade maior no o processo de ingresso nas instituições internacionais. fonte: FOLHA.COM