quarta-feira, 16 de maio de 2012

Brasil descobre universidade 'das Arábias'

A Arábia Saudita, principal produtor de petróleo do mundo, tem sido o destino de brasileiros interessados no ensino e nas vantagens oferecidas pela Kaust (Universidade Rei Abdullah de Ciência e Tecnologia).

Fundada em 2009 pelo rei Abdullah Bin Abdulaziz Al Saud, a universidade tem a meta ambiciosa de, até 2020, ser caracterizada por pesquisas comparáveis às das dez maiores universidades de tecnologia do mundo.

Segundo a instituição, 15 brasileiros já frequentaram os cursos de mestrado e doutorado. Rafael Coelho Lavrado, 25, foi da primeira turma do mestrado em engenharia elétrica, em 2009.

Um ano antes de partir, ele foi beneficiado com uma bolsa de US$ 1.200 por mês para cobrir custos com livros, notebook e viagens para aprimoramento da língua inglesa e conhecimento de outros países e culturas.

Ao chegar, "ganhou" um apartamento de três andares, assistência médica gratuita e viagens periódicas ao Brasil, além de uma nova ajuda de US$ 1.700 mensais.

"Vale a pena estudar no país, mesmo diante da diferença cultural em relação ao Brasil", disse ele.

O engenheiro de petróleo Guilherme Ribeiro, 26, também entrou em 2009 na universidade, para um mestrado em ciências da terra. Morando atualmente na Arábia Saudita, ele trabalha na maior petrolífera do mundo, a estatal Saudi Aramco.

Prédios de laboratórios da universidade saudita Kaust,
com mesquita à esquerda
"Terminei o mestrado e fui contratado, o que é um fato atípico, já que a empresa costuma empregar apenas profissionais com pelo menos dez anos de experiência", diz.

Única docente do Brasil na Kaust, a engenheira química Suzana Pereira Nunes afirma que o objetivo da instituição é gerar conhecimento novo para tentar resolver os problemas internos do país e também do mundo.

Entre eles estão a dependência do petróleo e a falta de água. Suzana, por exemplo, pesquisa formas eficientes de retirar o sal da água.

Entre os parceiros da Kaust estão universidades na lista das melhores do mundo, como a Universidade da Califórnia em Berkeley e a Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Com isso, os estudantes podem fazer intercâmbio nessas instituições.

US$ 20 BILHÕES - Para construir e equipar a universidade em Jeddah (às margens do Mar Vermelho), foram investidos ao menos US$ 20 bilhões, segundo os ex-alunos. As instalações do campus impressionam pela grandiosidade.

Anualmente, a universidade faz seleções em todo o mundo. Para cursos de mestrado, as inscrições ocorrem todos os anos em setembro.

De acordo com a universidade, as bolsas atualmente oferecidas aos estudantes variam de US$ 20 mil a R$ 30 mil por ano, dependendo do currículo de cada candidato. A bolsa inicial foi exclusiva para a primeira turma.

RAIO-X:
Kaust (Universidade Rei Abdullah de Ciência e Tecnologia)

FUNDAÇÃO
5 de setembro de 2009

LEMA
"Pela inspiração, descoberta"

ALUNOS
Cerca de 800 na pós-graduação (não há cursos de graduação). A língua oficial das aulas é o inglês

REITOR
Shih Choon Fong (nascido em Cingapura e ex-reitor da Universidade Nacional de Cingapura)

ÁREAS DE INTERESSE
Ciências da vida, engenharia, ciências computacionais e ciências físicas
FONTE: FOLHA.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário ou sugestão: