quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Morre Steve Jobs, 56, fundador da Apple

Steve Jobs mostra a versão branca do iPhone 4 à época do lançamento
O fundador da Apple, Steve Jobs, 56, morreu nesta quarta-feira. O executivo, que sofria de câncer, se afastou da empresa em agosto. Ele ocupava a presidência-executiva da Apple desde 1997.

Jobs passou por um transplante de fígado há dois anos e, em 2004, descobriu que tinha uma forma rara de câncer no pâncreas.

Nas suas raras aparições neste ano, como no lançamento do iPad 2, em março, ele pareceu ainda mais magro que o normal.

Em agosto, disse em sua despedida: "Sempre disse que, se chegasse o dia em que não poderia mais cumprir meus deveres e expectativas, eu seria o primeiro a avisá-los. Infelizmente esse dia chegou."

Steve Jobs era considerado o grande responsável pela ascensão da Apple do posto de empresa combalida ao status de companhia com maior valor de mercado do mundo.

Desde que reassumiu o comando da empresa em 1997 --cargo do qual foi destituído dois anos antes- - Jobs elevou o valor das ações da Apple de um patamar de US$ 5 para mais de US$ 370.

Como comparação, a Microsoft, que na volta de Jobs à Apple era a líder em tecnologia, vale hoje US$ 209 bilhões, cerca de US$ 140 bilhões menos que a rival.

Sob sua gestão, a companhia foi responsável por revoluções nos mercados de música, telefonia celular e computadores. Os equipamentos com prefixo "i", que na pronúncia em inglês significa "eu", tornaram-se objetos de desejo dos consumidores e sinônimo de ameaça para os concorrentes.

Considerado um gênio por muitos, Jobs criou uma certa dependência da Apple com relação à sua imagem. Por conta disso, desde que começou a lutar contra um tipo raro de câncer, surgiram questões sobre o futuro da companhia sem ele.

No comunicado em que anunciou sua saída da companhia, em agosto, o executivo tomou duas medidas para tentar amenizar esse impacto: a primeira foi a nomeação de Tim Cook, responsável pela operação diária da companhia, para o cargo de executivo-chefe. Fonte: FOLHA.COM

Tropeço da Apple com iPhone 4S pode abrir porta para rivais

O iPhone 4S, que tem design idêntico ao do iPhone 4
Os fabricantes rivais de celulares podem ter uma chance de explorar um raro vacilo da Apple no lançamento de seu iPhone 4S, que não encantou os fãs da empresa, para conquistar participação maior no segmento mais lucrativo do mercado de telefonia, afirmaram analistas nesta quarta-feira.

Agentes de mercado apontaram, entretanto, que a Apple decidiu manter os modelos de iPhone mais antigos, reduzindo os preços, o que pode ajudá-la a aumentar vendas nos segmentos de preço mais baixo e nos mercados em desenvolvimento, dominados por Nokia e Samsung Electronics.

"A Apple já não está em vantagem, e seu serviço em nuvem ficou para trás do (sistema operacional do Google) Android. Agora, ela só pode vender aproveitando a fidelidade à marca", disse C. K. Lu, analista da Gartner em Taipé.

"Os usuários podem esperar para comprar o próximo iPhone. Quem não puder esperar talvez mude para marcas que ofereçam especificações mais avançadas", acrescentou.

O iPhone, lançado em 2007 com a tela de toque que todos os rivais adotaram posteriormente, provou ser o novo padrão no crescente mercado de smartphones, e as vendas cada vez mais altas prejudicaram os ambiciosos planos de muitos concorrentes.

Mas as ações de Samsung Electronics, HTC e LG Electronics, que fabricam celulares que utilizam o Android, avançaram depois que a Apple lançou o iPhone 4S na terça-feira.

Na Europa, as ações da Nokia e da Ericsson, que detêm metade da joint-venture Sony Ericsson, mostravam alta de 2,4% no começo do pregão desta quarta-feira.

"A Nokia deve se beneficiar do fato de que o novo modelo da Apple não enfatiza o design e, contrariando alguns rumores, a empresa não oferecerá nada novo para o crucial segmento médio do mercado", afirmaram analistas da Nordea em nota.

O novo iPhone 4S tem formato idêntico ao do modelo anterior, decepcionando os fãs que esperavam um aparelho mais fino e com tela maior para suceder um produto que não tinha sido atualizado em mais de um ano.

Embora truques tecnológicos avançados como comandos de voz --para enviar mensagens, verificar cotações de ações e outros fins-- tenham atraído a atenção de muitos analistas, eles podem não ser suficientes para tornar o aparelho um item de consumo obrigatório.

"A grande preocupação da Samsung era que seu ímpeto nos celulares inteligentes se desacelerasse com o novo iPhone, mas isso agora preocupa menos, porque o novo iPhone não entusiasmou muita gente", disse Kim Young-chan, analista da Shinhan Investment, em Seul.

Na quarta-feira, a Samsung também anunciou que solicitaria na Justiça o bloqueio da venda do novo iPhone, em tribunais da França e Itália, alegando que o modelo viola patentes de tecnologia móvel detidas pela companhia, o que expandirá a guerra judicial já conturbada que trava contra a maior rival.

ESTRATÉGIA

A Apple também revelou na terça-feira que reduziria o preço do iPhone 4, o modelo anterior, a US$ 99, para os usuários que o adquiram com um plano de operadora, e que o 3GS, ainda mais antigo, será fornecido de graça aos usuários que assinarem planos de operadoras. Isso pode permitir que a empresa atinja a camada mais baixa do mercado, que no passado não tinha interesse em atender.

Mesmo antes de reduzir os preços, a Apple já estava preparada para crescer exponencialmente na China, maior mercado mundial de telefonia móvel, com mais de 900 milhões de assinantes.

Na Índia, o segundo maior mercado, com mais de 850 milhões de assinantes, a situação é mais difícil, já que os celulares inteligentes respondem por apenas 5% das vendas de celulares.

Os celulares que operam com Android, fornecido gratuitamente a Samsung, HTC e Motorola Mobility, têm fatia de mercado combinada superior à do iPhone, que continua a ser o smartphone mais vendido do mundo.

"Muitos consumidores ainda não experimentaram o iPhone, e a Apple ainda tem muitos mercados e operadoras nos quais ingressar, por isso, quando surge um modelo novo com melhores especificações, isso ajuda a elevar os embarques", disse Ming-chi Kuo, analista da Concord Securities, em Taipé.

"O iPhone 4S é voltado a usuários do 3GS cujos contratos de serviço de dois anos estão expirando", acrescentou.

A Apple bateu recorde ao vender 20,3 milhões de iPhones no segundo trimestre, ante 19 milhões de unidades vendidas pela Samsung e 16,7 milhões pela Nokia, segundo analistas. Fonte: REUTERS

Índia lança tablet "mais barato do mundo"

A Índia apresentou nesta quarta-feira o que considera ser o tablet mais barato do mundo, destinado a estudantes, ao preço subsidiado de US$ 35.

O governo indiano está comprando as primeiras unidades do produto, chamado Aakash --que significa "céu" em hindi-- por US$ 50 cada um, de uma empresa britânica que está montando os dispositivos na Índia.

Os tablets, inicialmente, serão fornecidos gratuitamente aos estudantes, em um projeto piloto envolvendo 100 mil unidades.

"Os ricos têm acesso ao mundo digital, os pobres e comuns têm sido excluídos. Aakash terminará com essa divisão digital", disse o ministro das Telecomunicações e da Educação, Kapil Sibal.

A DataWind, pequena empresa britânica que desenvolveu o tablet, disse que o custo será menor quando iniciar a produção em massa.

Após a distribuição gratuita, o governo pretende vender os produtos aos estudantes por US$ 35 no próximo ano.

A versão do tablet voltada ao varejo será comercializada por cerca de US$ 60. Fonte: REUTERS

Após polêmica, Câmara aprova Estatuto da Juventude

Depois de um grande embate, a Câmara aprovou nesta quarta-feira o Estatuto da Juventude. O texto, que segue para análise do Senado, considera como jovens todas as pessoas com idade entre 15 e 29 anos.

Um dos pontos do estatuto prevê a meia-entrada para todos os jovens estudantes nessa faixa etária, em eventos de natureza artístico-cultural, de entretenimento e lazer, em todo o território nacional, inclusive para jogos de futebol. Hoje, leis que regem a meia-entrada são estaduais e não federais.

A possibilidade gerou polêmica por poder entrar em atrito com a Fifa sobre a entrada nos jogos da Copa. Relatora do projeto, a deputada Manuela D'Avila (PC do B-RS) disse que o texto não é apenas para os dois meses dos jogos e sim para todos os brasileiros. "Para a Copa, especificamente, vai ter uma Lei Geral da Copa, aqui estamos tratando de uma coisa mais ampla", disse a deputada.

O jovem terá o direito também de pagar 50% do valor dos transportes intermunicipais e interestaduais, "independentemente da finalidade da viagem", de acordo com a legislação dos Estados e municípios.

"Esse é um direito dos estudantes de terem transporte. Criaremos subsídios estaduais, municipais para isso", afirmou Manuela.

Outro ponto que gerou polêmica foi o que trata da propaganda de bebidas alcoólicas. O texto aprovado proibiu esse tipo de propaganda para bebidas com qualquer teor alcoólico em políticas de atenção à saúde do jovem. Após pressão da bancada ligada ao setor, a relatora chegou a trocar o "proibir" por "restringir", mas teve que recuar. O entendimento final foi para deixar claro que a proibição valeria apenas para jovens menores de 18 anos.

Já a polêmica com a bancada evangélica aconteceu por causa de dispositivos de textos que tratam da inclusão de temas relacionados à sexualidade nos conteúdos escolares. Após acordo, a relatora aceitou incluir a necessidade de que o tema seja tratado "desde que respeitado a diversidade de valores e crenças". Diz ainda que o direito à igualdade compreende a "inclusão de temas sobre questões raciais, de gênero (...)".

O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) comemorou. "Isso é muito importante pois contempla a sexualidade nas escolas. Além disso, o texto contemplou o direito da diversidade cultural. Um passo essencial para os jovens da comunidade LGBT", afirmou.

O Estatuto também institui o Sistema Nacional de Juventude, cuja composição, organização, competência e funcionamento serão definidos em regulamento. A oposição questionou a criação de cargos para o Conselho da Juventude, mas houve acordo para que uma lei tratasse desses gastos. Caberá aos Conselhos colaborar com órgãos da administração no planejamento e na implementação das políticas para os jovens, entre outros.
O projeto, em sua maioria, cria diretrizes para temas relacionados ao jovens. Muitas leis terão que ser criadas para regulamentar esses temas. Mesmo assim, Severine Macedo, secretária nacional de Juventude da Presidência da República, falou que o texto é um grande avanço.

"Para nós, gestores, é fundamental para o assunto avançar. O Estatuto cria condições e dá amparo para fazermos com que as políticas da juventude aconteçam", afirmou.

O presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes), Daniel Iliesco, disse que, com a aprovação do texto no Senado, será possível abrir um "novo patamar de políticas públicos para o país". "Hoje são mais de 50 milhões de jovens no país que podem ser beneficiados", afirmou.

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), lembrou que a proposta estava parada na Casa havia sete anos.  Fonte: FOLHA.COM

"TADINHO DO CONSUMIDOR": Toddynho tinha pH parecido com o de soda cáustica, afirma laudo

Análises feitas pela Vigilância da Saúde do Rio Grande do Sul em produtos do primeiro lote de Toddynho com registros de problemas apontaram um pH de 13,3, índice que se aproxima ao de materiais como água sanitária e soda cáustica. A escala vai de 0 a 14, sendo os valores mais altos os considerados alcalinos.


Ontem, mais lotes do achocolatado foram apontados como causa de queimaduras por consumidores do Rio Grande do Sul, de acordo com a Vigilância do Estado.

O órgão recebeu mais sete notificações de pessoas que passaram mal ao beber o produto. No total, já foram registradas 29 queixas de queimaduras desde a semana passada, todas no Estado.

A PepsiCo, no entanto, reafirma que apenas um lote (L4 32), com 80 produtos no total, tem problemas --são os consumidores que afirmaram haver problemas em outros lotes do produto.

Todos os consumidores passam bem. Eles relatam que sofreram irritação e lesões na mucosa da boca. O produto, vendido em caixinhas de 200 ml, teve a comercialização suspensa em todo o Estado. Crianças são maioria entre as pessoas que tiveram reações, de acordo com a Vigilância da Saúde.

Só na cidade de Porto Alegre, foram registrados nove casos de pessoas que passaram mal. Há notificações em 12 cidades de várias regiões do Estado --até em municípios a mais de 300 km de Porto Alegre, como Erechim.

Com as reclamações sobre outros lotes, novas amostras do achocolatado estão sendo recolhidas e encaminhadas para análise em um laboratório do governo do Estado.

Na semana passada, a Vigilância gaúcha contatou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Para os consumidores do Rio Grande do Sul, o órgão do Estado recomendou guardar unidades fechadas do achocolatado até que haja novas orientações.

Orientou ainda que se procure um médico imediatamente em caso de reações ao alimento e que o consumidor entre em contato com órgãos de vigilância sanitária.

De acordo com o Procon de Porto Alegre, quem sofreu queimaduras ao ingerir o produto deve pedir indenização na Justiça.

REINCIDENTE

Não é a primeira vez que ocorrem problemas na fabricação do Toddynho. Em 2007, quatro produtos da marca foram recolhidos em todo o país devido a uma "alteração de sabor" causada por um nível de cálcio acima do normal.

SAÚDE

Além de irritação na boca, a ingestão de um líquido com pH 13,3 pode causar lesões no esôfago e no estômago, segundo o professor de clínica médica da Unifesp Paulo Olzon.

O médico pondera, no entanto, que a quantidade de Toddynho adulterado ingerida deve ter sido pequena em todos casos. Assim, a irritação sentida, de acordo com ele, deve ser leve e passageira.

"Como a pessoa tende a parar de tomar ao sentir o gosto ruim, o volume ingerido não causa risco de morte, porque o pH ácido do estômago irá neutralizar [a alcalinidade]", diz o médico.

OUTRO LADO

A PepsiCo, responsável pela marca Toddynho, afirma que apenas um lote (de número L4 32), enviado ao Rio Grande do Sul, está com problemas de fabricação.

Questionada sobre o surgimento de novos casos de ferimentos no Estado, conforme nota da Secretaria da Saúde, a empresa reafirmou que só 80 unidades do achocolatado estavam com alterações.

A PepsiCo não informou se fez inspeções em sua fábrica para evitar novos problemas no produto. Em comunicado divulgado na sexta, a empresa dizia que possui "rigoroso controle de qualidade". Fonte: FOLHA.COM