sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Sueco é preso por tentar criar fissão nuclear no fogão de casa

A polícia prendeu um sueco pela tentativa de quebrar átomos na cozinha de sua casa --praticamente uma bomba atômica caseira. Os experimentos, disse ele, eram apenas um hobby.
Richard Handl, 31, mantinha elementos radioativos --como rádio, amerício e urânio-- no edifício onde morava. Handl explicou que, durante meses, tentou construir um reator nuclear. Em seu blog, ele descrevia como havia criado uma pequena fissão dentro de um fogão. Só mais tarde o sueco se deu conta que suas tentativas poderiam ser ilegais. Ao questionar o órgão máximo de energia nuclear na Suécia, recebeu como resposta uma denúncia à polícia. "Sempre fui interessado em física e química", comentou Handl. Ele acrescentou que queria ver se era realmente possível dividir átomos em casa. O sueco pode pegar até dois anos na prisão, embora afirme que a polícia não detectou níveis perigosos de radiação no apartamento. Preso no fim do mês de julho, ele reconheceu que seu projeto não foi uma das melhores ideias. "De agora em diante, vou ficar com a teoria", disse. FONTE: ASSOCIATED PRESS

Ministros gastam meio milhão de reais com diárias

Em maio deste ano, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda (foto), passou por um constrangimento: por recomendação da Controladoria-Geral da União (CGU), teve que devolver aos cofres públicos gastos com diárias no Rio de Janeiro durante fins de semana. Nos casos relatados, a ministra não cumpria agenda oficial. Ainda assim, Ana não freou a gastança: ela é a recordista nas despesas com diárias na Esplanada dos Ministérios.
Foram mais de 45.000 reais para pagar hospedagem e alimentação de Ana de Hollanda em viagens no primeiro semestre de 2011. O valor é três vezes superior à média aritmética dos gastos dos ministros para essa finalidade, que é de cerca de 13.000 reais. No total, os 38 ministros do governo federal gastaram 502.222,67 reais com diárias. O levantamento realizado pelo site de VEJA contou com dados repassados pelas assessorias dos ministros e também com informações divulgadas no Portal da Transparência, administrado pela CGU. Dezessete ministros gastaram acima da média, sendo que sete deles consumiram mais de 20.000 reais em diárias este ano, além de Ana de Hollanda: o ministro da Saúde, Alexandre Padilha (35.132 reais); o ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota (30.649, 02 reais); o presidente do Banco Central, ministro Alexandre Tombini (26.248 reais); a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira (26.277 reais); o ministro da Defesa, Nelson Jobim (22.220,66 reais); a ministra de Diretos Humanos, Maria do Rosário (21.614,30 reais); e a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti (20.997,37 reais). Cabe ressaltar que os gastos com diárias do ministro Patriota disponíveis no Portal da Transparência, de 3.653,07 reais, referem-se apenas às viagens nacionais do ministro. O Itamaraty informou ao site de VEJA que o ministro fez este ano 36 viagens ao exterior, e recebeu para tanto o total de 15.879,97 dólares em diárias. Com base na cotação do câmbio de turismo desta quarta-feira, os gastos do ministro em diárias nacionais e internacionais somam 30.649, 02 reais. Ainda que as despesas sejam elevadas em relação aos demais ministros, elas se justificam diante da natureza do cargo do chanceler. À exceção de Ideli, que atuava no Ministério da Pesca, os ministros mais próximos da presidente Dilma não costumam inaugurar programas de governo em outros estados – geralmente estão presentes nos lançamentos realizados no próprio Palácio do Planalto, onde trabalham em Brasília. E, em casos de viagens, costumam integram a comitiva da presidente. Entre eles, estão a ministra da Secretaria de Comunicação, Helena Chagas, e o ministro da Secretaria-Geral, Gilberto Carvalho. A titular da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que tomou posse há cerca de dois meses, foi a única entre os ministros que não teve gastos com diárias. Gleisi fez viagens na comitiva da presidente Dilma – nas quais não precisou se hospedar – e abriu mão das diárias nas duas vezes que foi para Curitiba (PR), onde tem residência. Legislação - De acordo com a lei 8.112, que dispõe sobre os servidores públicos, as diárias são destinadas a indenizar as despesas com pousada, alimentação e locomoção urbana. A presidente Dilma e a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, assinaram um decreto em março deste ano estabelecendo limites de gastos com diárias, passagens e locomoção. Os valores variam de acordo com cada pasta, sendo que o máximo previsto é de 182 milhões de reais, limite destinado ao Ministério da Educação para os fins mencionados. O texto prevê ainda que a concessão de diárias aos servidores da administração direta e indireta deverá ser autorizada pelo respectivo ministro de estado. Assim, os ministros têm autonomia em relação a suas viagens oficiais e custeadas pelo Tesouro. FONTE: VEJA ONLINE

Boneca que mama é alvo de críticas nos Estados Unidos

Crianças agora podem amamentar um bebê - pelo menos de brincadeira. A ficção, contudo, não está agradando os críticos – eles alegam que o brinquedo pode induzir a sexualidade precoce das meninas. Vendida nos Estados Unidos desde a semana passada, a boneca Breast Milk Baby (Bebê Leite Materno) possui recursos como mexer os lábios, arrotar e chorar – da mesma forma como faz um recém-nascido de verdade.
Para ativar os recursos tecnológicos da boneca, a criança precisa vestir uma espécie de sutiã. No lugar onde ficariam os mamilos, há duas flores. Quando a boca da boneca é aproximada de uma das flores, um sensor é ativado e, então, começam os movimentos e sons que simulam a amamentação. Produtos que imitam a realidade não são novos no mercado de brinquedos. Atualmente, as crianças já podem comprar bonecas que tomam leite pela mamadeira, que sujam as fraldas, ficam doentes e choram sem parar. Tudo de brincadeira. Artigos publicados pelo jornal americano New York Times e pelo inglês Guardian sugerem, contudo, que esse brinquedo pode acelerar ainda mais o processo de maturidade sexual da criança. Bill O'Reilly, apresentador da rede de TV americana Fox News, disse também que o brinquedo é inapropriado para crianças. "Eu apenas defendo que crianças sejam crianças", disse O'Reilly. No Facebook, há uma página pedindo que a boneca seja banida do mercado, por entender que "crianças não precisam aprender como amamentar", e outra defendendo o brinquedo justamente por ensinar às crianças "os benefícios da amamentação". A companhia espanhola Berjuan, fabricante do produto, afirma que a boneca permite que as crianças brinquem de cuidar do bebê de forma natural. "O Bebê Leite Materno representa uma revolução em design por ensinar às crianças habilidades para criar seus próprios bebês de uma forma saudável." A boneca é vendida a 89 dólares nos EUA. Especialistas lembram que apenas uma boneca não seria capaz de alterar totalmente a vida de uma criança. O pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein Victor Nudelman acredita que esse é mais um fator que pode antecipar muitas situações da idade adulta. "Não há necessidade de uma criança viver como um adulto tão cedo. Amamentar um bebê não é coisa de criança. Isso tem um impacto ruim para a vida dela", diz. Ao comprar um brinquedo para uma criança, é preciso que os pais lembrem que seus filhos necessitam de um espaço entre a brincadeira e a realidade, segundo Vera Zimmermann, psicanalista e coordenadora do Centro de Referência da Infância e da Adolescência da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). "A função do brinquedo é estimular a fantasia. É possibilitar que a criança trabalhe aspectos emocionais do desenvolvimento dela, as capacidades cognitivas, a imaginação e a criatividade", diz Zimmermann. "Ao colocar a menina para viver uma realidade muito parecida com a função materna, você atrapalha esse processo", conclui. FONTE: VEJA ONLINE