domingo, 8 de julho de 2012

Histórico, Anderson Silva massacra Chael Sonnen e vence 'luta do século'

Espanha, 1605. Um cavaleiro conhecido como Don Quixote cruzava o país buscando aventuras heroicas e vitórias impossíveis. Nunca conseguiu. Las Vegas, 2012. Um lutador chamado Chael Sonnen buscava a maior das vitórias, contra um inimigo tão poderoso quanto os moinhos que Quixote, 407 anos antes, ousou enfrentar. Como o personagem da obra-prima de Miguel de Cervantes, Sonnen também descobriu, da pior maneira, que sua missão era impossível. Diante de si havia não um moinho, mas um gigante: Anderson Silva, o brasileiro que, pela 15ª vez seguida venceu no UFC, defendendo seu cinturão de campeão dos pesos-médios pela décima vez consecutiva. Com um nocaute rápido e preciso a 1m35s do segundo round, o brasileiro escreveu com letras de ouro mais um capítulo da sua história. Essa sim, vitoriosa e heroica. 

- Esse esporte é o melhor esporte do mundo. Nós trabalhamos duro por vocês. Nessa luta, eu lutei contra Chael, e ele contra mim. Ele desrespeitou meu país. Mas é isso aí. Um segundo - disse o campeão, ao chamar Chael Sonnen para cumprimentá-lo - Vamos mostrar que o nosso país tem um povo educado. Chael, Se você quiser fazer um churrasco lá em casa, eu te convido. Vamos lá - disse Anderson diante de um constrangido Chael Sonnen.

Sonnen não manteve a postura arrogante e falastrona após a derrota. Olhando para baixo, o americano respondeu secamente a Joe Rogan ao ser perguntado como se sentia após a luta.

- Ninguém entrou aqui comigo. Me deram uma oportunidade, e eu agradeço pela chance. Ele me acertou com um bom golpe, e o resto vocês viram. Ele é o campeão - disse Sonnen, claramente decepcionado.

Após a entrevista, Anderson Silva deu uma espécie de volta olímpica no octógono do UFC e recebeu a faixa de campeão da Taça Libertadores da América do Corinthians.

- O coração está bem. Dá pra mais cinco anos nessa adrenalina. Na verdade, ele tem os méritos dele, ele fez bem o jogo dele, de botar para baixo. Mas eu estava sem lesão, e tinha uma responsabilidade de honrar o povo brasileiro. É um esporte e estou feliz de poder dar alegria ao povo brasileiro. Nunca serão, jamais serão. Agora é férias, dar um tempo, cuidar da família e rever os conceitos para ser melhor no dia seguinte. Verás que um filho teu não foge à luta, Brasil! - disse o campeão ao canal Combate.

A LUTA - Antes da luta, como foi prometido pelos atletas, eles não se cumprimentaram no centro do octógono, ao receberem as orientações finais do árbitro Yves Lavigne. O combate começou com Chael Sonnen partindo para encurtar a distância e levando Anderson Silva para o chão. O brasileiro manteve Sonnen na guarda, mas recebia golpes no rosto e nas costelas. Na meia-guarda, o americano acertava o rosto do brasileiro com os cotovelos e com a palma da mão. Mantendo a calma, Anderson seguia com o desafiante na guarda, sem conseguir desvencilhar-se do wrestling do americano, a exemplo do que aconteceu na primeira luta entre os dois, no UFC 117, em 2010.

A cerca de um minuto do fim do round, Sonnen conseguiu passar a guarda de Anderson Silva e manteve o brasileiro em desvantagem, sem conseguir reagir ao domínio imposto por Sonnen.

No segundo round, Sonnen novamente encurtou a distância para o brasileiro e travou-o na grade, em pé. Anderson Silva manteve a calma e aproveitou um erro em uma cotovelada rodada do americano, quando Sonnen caiu, e partiu para o ataque. Uma joelhada e uma sequência de socos potentes fizeram Sonnen deitar no solo do octógono, sem reação. O árbitro Yves Lavigne encerrou a luta faltando cerca de dois minutos para o fim do combate, mantendo o título dos médios com o maior de todos. FONTE: SPORTV