segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Indústria fonográfica quer banir sites de compartilhamento nas buscas do Google

A Federação Internacional da Indústria Fonográfica, a Associação da Indústria de Gravação da América (IFPI e RIAA, respectivamente, na sigla em inglês) e grupos de interesse musical estudam a possibilidade de entrar com uma ação judicial contra o Google para evitar que links para sites de compartilhamento de arquivos sejam encontrados nos resultados de pesquisas dos usuários.


De acordo com o Digital Trends, a informação sobre o processo contra o Google teria vazado de um documento interno do IFPI e divulgado pelos sites Handelszeitung e TorrentFreak. Mesmo com uma forte parceria ao longo do ano passado com o gigante das buscas, as organizações acreditam que a empresa não tem feito o suficiente para evitar o tráfego de sites de arquivos piratas ou ilegais, como o The Pirate Bay, por exemplo.

As equipes jurídicas da IFPI e da RIAA continuam em negociações com o Google "para obter uma melhor cooperação em diversas áreas". Em resposta, o Google forneceu a essas instituições uma ferramenta de pesquisa especial que permite marcar endereços que supostamente infrigem suas políticas de contrato.

Entre agosto e dezembro de 2011, o IFPI afirmou ter encontrado um total de 460 mil links infratores, incluindo blogs da rede Blogger. Além disso, centenas desses blogs teriam sido desativados a pedido da IFPI.

Apesar do Google ter cooperado, o IFPI exige mais ações para conter a pirataria. Uma delas é classificar os sites oficiais das gravadoras como mais elevados e relevantes do que os que se dedicam a violação de direitos autorais.

A indústria fonográfica tem pressionado essa decisão ao longo dos últimos meses. Recentemente, a legislação americana exigiu que o Google e outros sites de busca removessem links de seus resultados de pesquisa, suspeitos de irem contra os direitos autorais dessas empresas. Com a extinção do SPA, RIAA e IFPI lançaram no mês passado um Código de Conduta Voluntário para sites de busca, pedindo para que tomassem essa atitude (remover endereços piratas do mecanismo de pesquisa) por vontade própria. fonte: OLHAR DIGITAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário ou sugestão: