sábado, 17 de dezembro de 2011

Bebê que lutava contra câncer junto com a mãe morre nos EUA

A pequena Saoirse ao lado da mãe, Kezia
Uma menina americana de apenas um ano e meio de idade perdeu a luta contra o câncer esta semana após enfrentar a doença junto com a mãe. A fotógrafa americana Kezia Fitzgerald, 27, foi diagnosticada com linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer que surge nos gânglios do sistema linfático, meses após o nascimento da filha, mas agora foi declarada em remissão (sem incidência da doença) pelos médicos.

Enquanto ela ainda passava pelo tratamento contra a doença, sete meses atrás, a pequena Saoirse recebeu o diagnóstico de neuroblastoma, um tipo de câncer que atinge o sistema nervoso periférico.

Após cirurgias, sessões de quimio e radioterapia e incontáveis visitas a hospitais, Saoirse faleceu na última terça-feira, no Hospital Infantil de Boston, mas seus pais esperam que um maior conhecimento sobre a doença possa vir a ajudar outras crianças no futuro.

"Saoirse amava tanto a vida e nós temos de continuar lutando por ela e por uma maneira melhor de detectar essa doença horrível o mais cedo possível, informar pediatras sobre os sintomas iniciais, encontrar tratamentos melhores e, é claro, uma cura para o neuroblastoma", disse à BBC Brasil Michael Fitzgerald, marido de Kezia e pai de Saoirse.

Funeral 'colorido' Durante o tempo em que a família enfrentou o câncer unida, eles diziam que sua atitude positiva era o que tornava a situação suportável. "Nós vivemos um dia de cada vez e, apesar de termos alguns dias difíceis, há muito mais dias felizes e é nesses que nos concentramos. Temos de nos acostumar com nosso novo 'normal' e, apesar de ele não ser muito comum, essas são as nossas vidas e vamos vivê-las da melhor maneira possível", disse Kezia na época.

A família criou um fundo, o Fitzgerald Cancer Fund, com páginas no Twitter e no Facebook, para ajudar a cobrir as despesas médicas e, agora, Kezia e Michael querem divulgar informações sobre o neuroblastoma.

Michael diz que é importante que os pais de crianças com a doença façam muitas perguntas aos médicos e pesquisem o máximo que puderem. "Kezia e eu tivemos uma grande participação no tratamento de Saoirse e sabemos que, em algumas ocasiões, percebemos coisas graves que os médicos deixaram passar. Só porque é uma doença rara, isso não quer dizer que ela não deva receber a atenção que merece."

O funeral de Saoirse será realizado neste sábado e a família pediu que os convidados evitem o preto e usem "roupas coloridas em homenagem ao espírito de Saoirse e seu belo sorriso".

Kezia continuará passando por acompanhamentos periódicos para checar se seu câncer não voltará. Ela só será considerada curada após cinco anos em remissão. FONTE: UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário ou sugestão: